Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 73 textos. Exibindo página 6 de 8.

01/10/2013 - Lua amarela

Depois de se banhar por longas horas em chuvas estelares, a lua apareceu amarela no sétimo céu. Um amarelo construído e distribuído em vários tons e semitons, mas visto, por cada ser, em uma coloração única. Um amarelo misterioso que astrônomos não sabiam explicar. Um amarelo bebê, responsável por espalhar suavidade pelas sombras do universo. Um amarelo quindim, doce e irresistível, motivando devorações particulares e coletivas. Um amarelo mel, que transformava olhos em abelhas que voavam alto tentando se apoderar daquele favo celeste. Um amarelo carambola, de uma geometria com várias faces e facetas. Um amarelo princesa, capaz de envolver o mundo em um conto de fadas moderno e sedutor. Um amarelo natural, artificial e sobrenatural ao mesmo instante. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

21/06/2014 - Lua de Prometheus

Pelas vielas de prometheus a lua marcha sentinela dos dias meus. Tem sempre um luar específico que me acompanha sem cessar. Lua cheia me faz uivar. Lua minguante me deixa distante. Lua nova me põe à prova. Lua crescente me faz seguir em frente. Lua rosa me deixa prosa. Lua azul me deixa nu. Lua em chamas me leva à cama. Lua de mel me arranha, me arranha, me arranha-céu. Lua de prata me faz vira-lata. Lua de eclipse dá vão ao disse-me-disse. Lua de crepom vem marcada de batom. Lua de seda me joga em veredas. Lua de cetim descobre você pra mim. Lua de São Jorge nem o diabo com ela pode. Lua de renda pede uma prenda. Lua amarela me visita na janela. Lua branca tem ares de santa. Lua de faz-de-conta sempre apronta. Lua de filme de terror inspira agarros de amor. Lua de pirata evoca uma falta. Lua de inverno enlaça vestido e terno ao longo da rua de prometheus onde nunca há adeus.


Comentar Seja o primeiro a comentar

17/12/2011 - Lua de sal

Muitos dizem que a lua é feita de mel ou de queijo. No entanto ela tempera a noite de uma forma toda peculiar como se fosse um punhado de sal. Sem lua, a noite é completamente insossa. Isso sem falar que a lua cheia faz subir a pressão dos amantes. Porém, como apreciar com moderação um daqueles luares que tomam conta de todo o céu? A lua nova, translúcida, é como um sal marinho com cristais mais leves. A lua crescente é de mesa, cai bem em todos os pratos da noite. Já a lua minguante é forte e bruta como o sal grosso. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

24/10/2013 - Lua e lua

Ela conversa com a lua como se conversasse com alguém de carne e sonhos como ela. Fala de suas caminhações, de suas intenções e até mesmo de suas paixões. Conversa horas a fio em feitio de melhores amigas. E não meia vez para se zangar com quem faz gracinhas do tipo – e a lua lhe responde? Ora, não há melhor conselheira do que aquela criatura empalidecida feita de tantas e quantas fantasias próprias e alheias. Por isso, ela faz da lua sua confidente, seu diário a céu aberto, seu travesseiro...
...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

13/12/2014 - Lua e terra

A terra podia ser quadrada, triangular, hexagonal, mas quis o deus do princípio que ela fosse redonda, como a lua que ronda meus olhares em tantos e quantos luares como se minguantes ou crescentes fossem meus radares para o que há de fantástico nesta redondice que me move em direção às novas ou cheias numa terra de ninguém e de sonhos em que o Santo Jorge salvou a princesa do dragão, em que os noivos se deleitam em mel, em que os ratos comem como queijo, em que o homem ousou pisar quando devia por lá chegar ter ajoelho como um altar sagrado aos poetas que viajam à lua todo bendito redondeando aquele território que é a parte romântica da terra, até os piratas com seu rum a namoram querendo conquistá-la, lua e terra ligadas por um cordão umbilical de poesia, cordão prateado, amarelado, azulado, rosado e até esverdeado quando a lua de Olorum é visitada pelos caboclos da alvorada numa festa de energia que renova a lua, a lua, a lua, coração de deus por nós flutua.


Comentar Seja o primeiro a comentar

11/02/2012 - Lua em cena

Quando a noite entra em cena, a Lua encena o seu drama particular. No palco da escuridão, ela é o próprio holofote, aquele que aponta para si mesma, fazendo-a soberana em seu monólogo lírico, em seu dueto onírico com as estrelas, cometas e humanos apaixonados, que a aplaudem e a cultuam como uma espécie de divindade teatral.

Sacra e obscena, a lua encena um infinito de mulheres. Ela é a mulher misteriosa perigosa que habita a lua minguante. Ela é a mulher de personalidade forte, plena de autoridade, existente na lua cheia. Ela é mulher repleta de esperança, de desejo de mudança, que arde na lua nova. Ela é mulher que cresce a cada desafio natural da lua crescente. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

15/12/2015 - Lua Tupinambá

É a lua, é a lua de Tupinambá clareando a noite de Shangrila. É a lua vermelha, é a lua amarela, é a lua emplumada em feitio de cocar. É lua cheia até de manhã na aldeia de Tupã. E fazendo festa à lua Tupinambá tem estrelas Jurunas, Caipis, Terenas, Carajás, Patachós, Cariris, Canidés, Caiapós, Aranãs, Yanomamis, Macuxís, Tiriós, Tabajaras, Apurinãs, Anambés, Tupiniquins, Ticunas, Caxixós, Bacairís, Tuiucas, Canoês, Kamayurás, Xavantes, Enawenê-nawes, Tumbalalás, Guaranis, Suruuarrás... Estrelas ao redor da lua cheia, da lua inteira, da lua verde, da lua das matas, da lua das cachoeiras, da lua das cordilheiras, da lua das fogueiras, da lua mais guerreira, da lua, daqui e de lá, Tupinambá.


Comentários Comentários (1)

25/01/2012 - Lua uivante

A lua uiva no céu deixando claro seu parto permanente de estrelas. A lua quase nunca relaxa ou dorme, está sempre acesa e desperta. Alimenta-se dos flertes dos enamorados que a adoram. A lua é o aconchego de tantos sonhos. Ela se queima ao sol e se molha numa chuva de meteoros só para brilhar por nós. É um caso de paixão explícita. Mesmo quando nova, traz consigo o peso das coisas. A lua desta noite já foi muitas outras luas. A nossa lua já foi de muitos.

A lua uiva lá fora agitando as marés, as barrigas, as sementes, os ventos, os pensamentos. A lua mexendo com vivos e com mortos, com este e outros tempos. A lua e seu obscuro prazer de ficar acordada quando todos dormem. A lua imersa na escuridão e no silêncio dos astros. Por minutos chega a ser absoluta. A lua tão rica de emoções e de fatos é um romance a céu aberto. Quantos mistérios sem resposta caminham em sua atmosfera? ...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

17/10/2014 - Lua verde

Ouvi a mata estremecer. Vi a mata relampejar. Salve os caboclos de Oxóssi e o povo verde do rei Tupinambá. São cavaleiros de luz. São redes magnéticas. É cacique elevando uma seta branca. É a força nativa. O senhor das matas cortadas pela água doce de Iara. Salve os herdeiros do tempo. Salve os cavaleiros verdes, cavaleiros especiais. Salve as energias renovadoras. Salve a sabedoria dos pretos velhos. São mãos curadoras. São palavras singelas. Os pretos velhos falam baixinho e os índios fazem estardalhaço pelas matas que guardam mistérios. As pedras já viram tanto, mas não podem falar com homens. Os seres encantados se respeitam. Salve o verdume das coisas. Salve a encantaria das matas virgens, das matas frondosas, das matas verdejantes. Salve as lanças divinas. Salve as árvores que caminham. Salve a lua verde, a lua de Oxóssi.


Comentar Seja o primeiro a comentar

10/02/2015 - Lua vermelha

São Jorge que baixe suas armas e não tenha ciúme porque eu vou pra lua eu vou. Eu vou pra lua vermelha que mais parece um vulcão suspenso no espaço. Eu vou pra lua como abelha vai pra lua de mel. São Jorge acenda o farol pra me guiar. Eu vou para lua em seu período fértil, corada e mansa, pronta para se dar por inteira. Eu vou para lua vermelha pois meu desejo já é bem maior que uma centelha. São Jorge abaixe a lança, por favor, perdoa o meu amor lunático. Já comprei até um foguete, um ramalhete e escrevi o bilhete para me declarar. Ninguém vai me segurar, eu vou pra lua, quando o sol baixar.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   4  5  6  7  8   Seguinte   Ultima