Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 73 textos. Exibindo página 8 de 8.

20/02/2014 - Luxo de mulher

Deixa seus pés nus e caminha pisando em orquídeas azuis, brancas, coloridas ao seu gosto, e vem pra mim. Dança numa leveza floral como bailarina de pétalas de beleza e estilo, e vem pra mim. Vista sua camisola de princesa, branca e rendada, com mangas esvoaçantes e ombros de fora, revelando sua feminilidade absoluta, e vem para mim. Pinta suas unhas de vermelho, mas não de qualquer vermelho, mas um vermelho glamour, da marca do encanto, radiante, sensual e impactante, e vem pra mim. Cubra seus lábios de rosa, minha boca rosa, dona de uma sofisticação moderna e surpreendente e irretocável, e vem pra mim. Pega sua maquiagem, feita na França, com tons de sombras que copiam sua pele, e vem pra mim. Vista-se, a seu tempo, com algumas gotinhas de Miss Dior e, jovem apaixonada que é, vem com elegância e toques de fantasia, vem com laços e laçarotes,vem como um dia de primavera em Paris, vem num amor intenso e divertido, vem pra mim. Viva vivante vivara vivíssima trazendo em cada uma das orelhas - destino dos meus tantos eu te amo - um coração estilizado, doce e delicado, num ouro branco com pontos de diamantes e vem, vem pra mim. Deixa sua cabeça, seu corpo, seu coração entregues às sensações do amor, de extremo bom gosto, que voa nas asas da arte e do luxo, como as suas borboletas que sobem pelo seu pescoço, fazem cócegas em seu estômago e acabam em suas mãos, e vem, com borboletas e tudo mais, e vem pra mim. Livra-se depois de tudo isso e vem naturalmente luxuosa, com seu requinte e esplendor de nascença, e vem pra mim na beleza da simplicidade que lhe faz a minha divindade de estio, poder e magnificência. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

02/01/2015 - Luz azul

Tão logo a noite do sul caiu as estrelas se jogaram uma a uma aos pés da mulher que passa por retas curvas como um farol. E eu, barco perdido no oceano das paixões, com todas as bússolas interiores girando em falso, fui ao encalço daquela luz perfumada de azul. Uma luz de porte que cortava como lâmina estrelada, afiada e brilhante como as previsões da morte. Eu não sabia se ia ao seu encontro ou se fugia, ainda tonto, depois da última surra dos piratas do norte. Quanto mais avançava, mais aquela luz me atiçava. Como sereno, suava, chorava, cravava meus olhares naquele raio que se jogava aos meus braços. A luz tinha tudo para ser trêmula, incerta, imprecisa, mas era certeira. Chegava como holofote fazendo com que aquele mar bravio, salgado rio, se transformasse no palco do meu monólogo. Diferente das criaturas que morrem caladas, eu cantava o meu fim na esperança de uma reviravolta no rumo daquelas ondas sonoras de silêncio. E fechando os olhos eu ouvia o riso denso vindo daquela luz. Podia sentir seus seios, seus leites, seus deleites, seus anseios, seus enfeites... Nem a tempestade de sentimentos que volta e meia me colocava em naufrágio impedia de eu sentir cada fio de seu cabelo, cada arrepio de seus pelos, cada desvio de sua pulsação. E no mar-alto da minha solidão eu, nu de qualquer medo, confessava em segredo os meus pecados e amados àquela luz que me transformava num remo da cabeça aos pés. Um cego fazendo da luz a sua fé. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

06/03/2016 - Luz, luz

Luz, pássaros azuis iluminando as ruas. Luz, luz das luas. Luz, luz de todas as idades num brilho jovem e amadurecido, recém-nascido ou envelhecido. Luz, luz que cobre a cidade. Luz, cometas nus passando sobre os prédios. Luz, luz da cura, dos santos remédios. Luz, luz que vem do espaço. Luz, luz das estrelas de tantas pontas e pontes. Luz do amanhã, luz do ontem. Luz, luz das ondas de energia que vão alumiando o dia. Luz, luz para espantar as sombras. Luz, luz que se espalha pela ventania, pelas ramas. Luz, luz que arromba as trancas dos nossos porões. Luz, luz que entra nos grotões iluminando nossas tramas. Luz, luz que alivia. Luz, luz que bota para correr os pensamentos macabros. Luz, luz dos olhos de candelabros. Luz, luz que vem do alto. Luz, luz das matas, das cascatas, dos pirilampos que se atrevem pelo asfalto. Luz, luz das candeias. Luz, luz das horas cheias. Luz, luz da prece que acalma. Luz, luz, luz que aquece a alma.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   4  5  6  7  8