Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 91 textos. Exibindo página 5 de 10.

Bem-vindo ao caos

Na mitologia grega, antes da criação do mundo, existia o caos. Milênios depois, eu acredito que voltamos ao caos. E nem vou falar do mundo em geral, onde mulheres e homens-bombas explodem o que restou de suas vidas. Vou falar do nosso país, onde o presidente se enche de discursos franceses, enquanto mulheres desse mesmo país, numa pobreza tamanha, trocam o absorvente pelo sabugo de milho. Caos, triste realidade.

O caos, ou seja, a bagunça, a confusão, a desordem é o resultado de uma falta de política. A nossa política sempre privilegiou uma parte minúscula da população. Uma política que visa o dinheiro. Pergunto: como sobrevivem os não ricos? Sobrevivem no caos. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

03/03/2014 - Benção de amor

Pai Seta Branca chegou trazendo chuva, um verdadeiro toró falando ao coração, com lua e sol se encontrando num eclipse intenso e sem hora para acabar. Mensagens diretas do céu a terra numa comunicação especial sem palavras. Ao menos, palavras sonoras. Sob os olhares de Pai João de Enoque, de Nossa Senhora Apará, de Mãe Tildes e de nossa Mãe Clarividente, caminho à pira numa fila de pacientes, ninfas e mestres. Sal, perfume e vinho servidos pelas Samaritanas mexem com os sentidos. Salve, salve, muitos salves ao grande Simiromba de Deus. Salve Pai Seta Branca que é Oxalá e Francisco de Assis. Pensamentos elevados. Mayanty, Mayanty... Forte irradiação. O corpo incendeia. Uma energia tanta. As entidades do Amanhecer que me acompanham se fazem presentes. Sinto o aroma das matas, as forças de Pai João das Matas, de Caboclo Tupinambá e de Oxóssi, com seus cavaleiros, e de doutor André Luiz. A cabeça lateja, o estômago queima, as mãos esquentam e vibram. Sinto com nitidez uma essência tão conhecida e especial e uma imagem imediatamente se projeta tão real em minha cabeça, em meus olhos interiores. Difícil conter o choro. Diante do pai, totalmente entregue com o coração escancarado. Reverencio, as mãos se tocam, e ao som daquela voz trovejada recebo as palhas e agradeço. Ali, diante do pai, tudo se ilumina na certeza de um amor verdadeiro, infinito e abençoado.


Comentários Comentários (16)

06/06/2011 - Bendídia

Ah! Que Bendis, a deusa lunar da Trácia, me leve para seus quartos crescentes e minguantes. Que eu possa me agarrar a sua face brilhante e me esconder em sua metade fosca. Que ela mexa com minhas marés e com minhas plantações. Que ela provoque o meu parto.

Que ela semeie em mim suas sementes de encantamento, de adoração e de magia oculta. Que ela influencie meus cabelos, meu apetite, meu romance. Que ela dance comigo pelas constelações perdidas. Que ela, durante a Bendidia, renove minha alma e encha meu corpo. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/05/2015 - Bendita a cigarra

Nas águas da mãe-chuva, capim cresceu, vaca chegou, comeu, adormeceu. O galo cantou como se fosse o dono do espetáculo o novo dia num tom mais que enfático. A formiga sem saber que dia era trabalhou, cortou, retalhou, carregou a folharada pela sua estrada. Dona margarida se abriu pras bandas do brejo branqueando um rio que não era o tejo mas tinha sotaque português. E o sabiá virou freguês da amoreira depois de uma semana inteira no pé de ingá. Veio vento de cá, de lá e acolá botando as folhas para dançar. E o sapo se inchou todo e coaxou querendo no lodo namorar. Cumprido o seu papel, com fanfarra e algazarra, depois da chuvarada, a cigarra amarra sua casca seca à árvore e vai pro céu. Bendita seja a cigarra e a sua farra.


Comentar Seja o primeiro a comentar

21/05/2012 - Bendita seja a minha mulher

Bendita seja entre as mulheres, a minha mulher. Bendita seja a minha mulher que, ao mesmo tempo, festeja a minha existência e que me redime de toda e qualquer penitência. Bendita seja a minha mulher que brilha por mim quando estou em eclipse total. Bendita seja a minha mulher que me alimenta não só de comidinhas, mas de sentimentos. Bendita seja a minha mulher que se deleita com minhas atividades extracurriculares e consegue estar presente em todos os meios, seja neste ou em qualquer outro mundo. ...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

29/12/2010 - Benfeitorias

Eles querem me fazer calar, me fazer dormir, me fazer corar, me fazer fugir, me fazer falar, me fazer sumir, me fazer acreditar, me fazer cair, me fazer chorar, me fazer despir, me fazer acabar, me fazer cuspir, me fazer tomar, me fazer engolir, me fazer esperar, me fazer fingir, me fazer pecar, me fazer grunhir, me fazer soluçar, me fazer rir, me fazer contar, me fazer ir, me fazer voltar, me fazer ferir, me fazer matar, me fazer trair, me fazer suar...

Eles querem me fazer sofrer, me fazer impor, me fazer perder, me fazer dor, me fazer esquecer, me fazer amor, me fazer valer, me fazer admirador, me fazer torcer, me fazer agitador, me fazer reler, me fazer calor, me fazer saber, me fazer dissabor, me fazer amanhecer, me fazer torpor, me fazer fenecer, me fazer andor, me fazer entontecer, me fazer anterior, me fazer render, me fazer apoiador, me fazer engrandecer, me fazer tambor, me fazer querer......
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

06/11/2009 - Berliner Mauer

Tijolo por tijolo foi se erguendo um muro trágico.

Um muro que separou pensamentos, sentimentos e outros ventos da cabeça e do coração. Um muro sem cor, sem desenhos, sem vegetação. Um muro sem razão criador de uma nova fronteira irracional. Um muro que nasceu para dividir o capital do social, o futuro do passado, a águia do urso. Quanto choro acumulado ao longo daquela construção tão horizontal quão vertical? Quantos murros foram dados naquele paredão? Quantos gritos foram ouvidos por aquele muro sem nação? Quantas esperanças foram depositadas naquela barreira que virou bandeira de luta e força bruta? ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

09/02/2016 - Bethânia de todos nós

Maria Bethânia é emoção, beleza, força, encantaria e devoção. É um pranto de lavar corpo e alma de uma só vez e com tal intensidade que mesmo aqui já traz saudade. É a mistura de Oyá, Iansã, Santa Barbará, São João, Menino Deus e Nossa Senhora da Purificação. Bethânia é água de cachoeira que nos banha por completo e ao mesmo tempo é fogueira que fala o dialeto de quem ama e se faz chama. Explode sentimento, Bethânia é lâmina que corta como raio, trovão que a todos cala e a porta da imaginação. Bethânia, Maria Bethânia, é a tradução daquilo que de fato nos importa. Bethânia é tão nossa, como uma oração, é a bossa da fé, é o poder latente e onipresente da fantasia, da sedução, da encenação da verdade. Palco de todos os palcos, Bethânia é ato contínuo, o impacto da perfeição, o pacto com uma outra realidade, quiçá a ponte com uma outra dimensão que é amanhã, hoje e ontem ao mesmo instante. Sempre, e para sempre vibrante, Bethânia me arrepia, me extasia, me contagia e me excita numa mais que completa poesia. Bonita em uma singeleza que se transforma e se agiganta, canta, canta flor incandescente de Bethânia. Do ventre para o palco, fazendo do parto um abrir de cortinas, Bethânia é rio que não passa, palhaço que não é só graça, mas também o choro que se avista ou não, mas que se sente presente e arrebatador como num refrão. É Maria, é Bethânia, é carcará, abelha rainha, fera ferida, a lida constante e vibrante do artista. É a vista que olha pra dentro, coração ao vento, palavra que fere, adere e firma o alento em todos nós. O canto de Bethânia não nos deixa sós, e roga por mim, por você e por todos nós. Canto que quebra demanda, rompe quebranto, arrebenta corrente, liberta, reboliça, enfeitiça de pureza. É um canto baiano, indígena, brasileiro de aruanda. Bethânia com seus mantos, com seus pés descalços, com seus penachos, com suas entregas, com uma vocação, um sacerdócio que não nega. Bethânia é um canto de ar, de terra, de cascata, de sangue, de fogo, de mata, de néctar, de pólen tão saboroso quão manga madura colhida no pé. Bethânia do que deus quiser, de Santo Amaro, de Gantois, de Mangueira, de Mãe Menininha, de Dona Canô, de Caetano, de Cartola, de Vinícius de Moraes. Bethânia rei e rainha, de tantos plurais, dos circos e dos grandes teatros, aclamada por poetas clássicos e regionais, trilha de solitários e casais, organismo vivo e divino dos apaixonados de toda ordem, certeza de que céu e terra se encontram e de amor explodem.


Comentários Comentários (3)

28/03/2010 - Bingo, hoje é domingo

Bingo, hoje é domingo. Pelas ruas há uma multidão se cumprimentando, se falando, se beijando e até mesmo se amando somente porque hoje é domingo. As madames vão almoçar em restaurantes grã-finos. Os charlatões contabilizam os golpes da semana. O jardineiro tira folga enquanto espia a floração do jardim da vizinha. A mama faz aquela macorranada com bastante molho. Os padres repetem a mesma homilia ao longo de um dia repleto de missas. Os preguiçosos deitam à frente da televisão. Os bêbados encontram justificativa para uma cervejinha a mais. Os pais se esquecem da idade e brincam com as crianças. E os apaixonados vão ao cinema estalar beijos de pipoca. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

17/10/2009 - Biografia cidadã

Todas as pessoas deveriam ter direito a uma biografia. Não precisaria ser extensa demais, tampouco ter edição de luxo. Bastaria ser fiel à história de cada um. Enquanto o senador Eduardo Suplicy defende o programa "renda cidadã" eu defendo o "biografia cidadã". Dentre tantas Propostas de Emenda à Constituição poderia existir uma que transformasse em direito fundamental o fato do cidadão ter sua vida relatada em livro. Afinal, pessoas nada mais são do que personagens do cotidiano. E já foi inventado algo mais rico do que o dia-a-dia?...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

Primeira   Anterior   3  4  5  6  7   Seguinte   Ultima