Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 91 textos. Exibindo página 4 de 10.

Beijo de aspartame

Pernas longas deixam quase vazias as pernas do jeans azul. O par solitário de uma sandália salto agulha dá mais magreza ao seu corpo. A blusa preta redimensiona seu colo, suas costas, seu útero,..., para uma resolução ainda menor. O cabelo escorre longo e indígena. Aquela mulher que se escora em sua própria longitude é de uma verticalidade fora do comum.

Se de perfil ou de frente ou de costas, não importa, tem a mesma sombra. Quase não tem carne. E seus ossos parecem ocos, dando-lhe a sensação de vôo em seu andar. Não tem o andar pesado das modelos de passarela, mas um andar gravitacional. Quase gaivota. Quase astronauta. Quase folha ao vento. E como que uma doença seus olhos são magros. Seu sorriso é magro. Até a bolsa é pequena demais para suas alças. Não deve usar biquíni. Deve ter vergonha. E pela sua pouca conversa tem pensamentos magros. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/07/2010 - Beijo de avelã

Era para ser mais um amor adolescente desses feitos de arroubos e levezas da estação. No entanto, como num texto de Shakespeare, a paixão ganhou contornos de tragédia. E então do romantismo inocente de um beijo no pátio da escola, fez-se o pânico. Para além dos característicos e inofensivos tremores de pernas e arrepios, a jovem britânica começou a ter dificuldades de respirar e ganhar um inchaço crescente no rosto.

Sem entender aquela cena, como se vivesse um script paralelo, o garoto entrou em desespero. Não. Não havia nada de premeditado naquilo. Era tão vítima como ela. Como poderia saber que ao comer uma barra de cereal, o sabor das avelãs impregnaria seus lábios a ponto de envenenar a namorada durante um leve e doce beijo. O escritor do destino teria de ser cruel demais para findar assim uma história de amor. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

09/07/2015 - Beijo de bom-tom

Beija e troveja num beijo de som. Beija e relampeja num beijo neon. Beija conectando-se às terminações beijosas num beijo.com. Beija e seja tudo o que é num beijo colocando nele todo o seu dom. Beija e beija com frisson. Beija e fareja cada átomo do batom. Beija se enseja debaixo do edredom. Beija e se deseja como se fosse um bombom. Beija e se rasteja, deita, rola e faz ronrom. Beija e se veja nesse beijo sem sair do tom. Beija porque beijar é sempre de bom-tom. Beija se dando de bandeja num beijo bom.


Comentar Seja o primeiro a comentar

12/06/2013 - Beijos enamorados

Beijos semeados. Beijos escritos. Beijos dados. Beijos benditos. Beijos roubados. Beijos aflitos. Beijos rasgados. Beijos de plebiscito. Beijos suspirados. Beijos bonitos. Beijos passados. Beijos infinitos. Beijos calados. Beijos de apitos. Beijos cantados. Beijos explícitos. Beijos triplicados. Beijos de curto-circuito. Beijos carregados. Beijos em conflito. Beijos estalados. Beijos favoritos. Beijos provocados. Beijos de delitos. Beijos tarados. Beijos de mosquito. Beijos cravejados. Beijos de arenito....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

01/09/2015 - Beijos pelo caminho

Olha na minha boca a procura do nosso último beijo. Veja quanto tempo faz. Pensa no quanto de beijos já deixamos pra trás desde que nossa boca se encontrou pela primeira vez num mês que já nem me lembro mais. Mentira! Eu guardo em mim cada detalhe seja quanto ao lugar, ao horário, ao medo, à textura, ao sabor do nosso beijo primogênito. Tudo segue intacto em minha memória. Tudo é nítido demais para mim. E isso é bom porque revivo cada movimento. E isso é ruim porque me vejo cada vez mais beijos ficando ao longo do nosso caminho. E beijos longe da boca não sobrevivem pra sempre. São como balões que ficam ao vento por dias, mesmo que mais murchos, mas quando tocam o chão ou até mesmo a ponta de uma estrela estouram. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/01/2011 - Belmont

Lembro das vezes que na calada da noite eu descia, vigiado pelos olhos de meu avô, a Rua São Miguel. Ia me espreitando pelas calçadas de pedras portuguesas e atravessava a esquina que dava acesso à Rua Santos Dumont guiando-me pelo som das tacadas das mesas de sinuca do bar do Furigo. Um bar feio, freqüentado por uma gente feia e por uma feiúra de espírito. As luzes amareladas iluminavam as garrafas velhas que ficavam empoleiradas sobre o balcão. Era naquele ambiente que buscava espaço entre um bêbado e outro me equilibrando na ponta dos pés para pedir uma carteira de cigarros. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

04/01/2014 - Bem assim mesmo

Sou de outro planeta. De outro tempo. De outra realidade. Sou o avesso do avesso. Sou extraterrestre. Sou virado de ponta cabeça. Sou o que não tem bula. Minha época já passou ou ainda não veio. Eu subo quando devia descer, e viro à esquerda quando devia seguir pela direita. Meu relógio gira ao contrário. Sou de um lirismo atípico, de um romantismo inútil para esta era. Sou a contracapa, o lado b, o que está entre a cara e a coroa. Sou coração que voa. E voa alto. Sou o amor de fato. Um apaixonado do primeiro ao último ato. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

02/08/2016 - Bem mais que isso

Para você pode ser o suficiente, mas para mim é pouco. Para você pode ser o suficiente, mas para mim falta. Para você pode ser o bastante, mas para mim é quase nada. Para você pode ser o possível, mas eu sou de ir além do impossível. Para você pode ser o que dá neste momento, mas eu não me prendo ao tempo. Para você pode ser o necessário, mas nem mesmo você não tem ideia da minha necessidade de você. Para você pode ser o justo, mas eu grito: não há nada mais injusto. Para você pode ser o que conseguiu, mas eu sei que pode fazer mais. Para você pode ser o que eu mereço, mas eu mereço você por inteira.


Comentários Comentários (1)

26/11/2008 - Bem-casado

Mais uma vez, canto-te esse cântico que me habita e palpita sob o signo coração. Mais uma vez, sou teu soldado, a pólvora que explode ao teu lado e o teu canhão, a te defender, a te proteger, a te socorrer. Mais uma vez, mato em teu nome. Mais uma vez, sacias a minha fome. Mais uma vez, dorme enquanto sonho o dia em que a poesia será de todo dia. Mais uma vez, aporto em teu porto e cavalgo pelos teus campos como um potro que vem recém-nascido, recém-crescido, recém-querido por alguém.

Mais uma vez, bendigo o teu umbigo no meu e te abrigo, brigo-te e mordo o figo da tua boca. Mais uma vez, devoro e sou devorado por essa paixão louca. Mais uma vez, a eternidade é pouca para essa saudade que menina, alucina e fascina. Mais uma vez, estou a esquecer o mundo, sou teu rei vagabundo e teu poder de mulher. Mais uma vez, bem-te-quero e bem-me-quer. Mais uma vez, eu te espero, e berro e me incendeio como Nero. Mais uma vez, te sou, me vou, me desespero....
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

22/08/2013 - Bem-estar

Porque tudo nos leva a chorar é que devemos nos apegar com o que nos faz sorrir, com o que nos faz gostar, com o que nos faz esquecer da dor que nos sonda e ronda por todos os lados. É preciso se agarrar aos motivos que nos trazem contentamento, que colocam um pouco de unguento em nossas feridas que o mundo com essa gente doente e delinquente não deixa fechar justamente por não saber amar, por não deixar amar, não não querer amar.

Porque tudo nos leva a chorar é que devemos enxugar as lágrimas e seguir em frente, buscando novos ânimos, sonhos e desejos. Nada de viver a velar o que não deu certo. Nada de declarar luto eterno diante das fantasias caídas. É preciso ter o coração sempre aberto e por perto, independentemente se nosso caminho nos leva ao dilúvio ou ao deserto, se o que vivemos é o errado ou o certo, se o que pretendemos é provável ou incerto. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   2  3  4  5  6   Seguinte   Ultima