Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 91 textos. Exibindo página 2 de 10.

23/12/2013 - Balão de gás

Hoje sou um daqueles balões de gás hélio que, de repente, escapou das mãos que o levavam como seu. Depois de caminhar, ou melhor, flutuar, por entre parques de diversão, pracinhas de novela e ruas pavimentadas de uma alegria criança, puramente inocente e repleta de coisas inéditas, fui solto.

Meu barbante que vivia entrelaçado pelos dedos de uma mão pequena que me carregava para lá e para cá segue solto no ar. E eu só faço subir, subir, subir e me distanciar de um mundo que eu já me considerava parte. Casas, pessoas, carros, tudo foi ficando distante e pequeno ao mesmo tempo......
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

12/02/2008 - Balde de água fria

Há sempre um balde de água fria para uma empolgação acalorada. Essa frase ainda não entrou para a galeria de ditados populares, mas é forte candidata. Uma das mais recentes vítimas desta máxima foi o estardalhaço em torno do biocombustível. O próprio Lula abraçou essa fonte de energia como um trampolim para o Nobel da Paz, assim como Clinton.

Diante de discursos inflamáveis, o biodiesel virou mania nacional a ponto de o desmatamento amazônico ser "justificável". Depois de três anos de redução, a taxa de derrubadas disparou em 2007. A verdade é que os oportunistas estão usando o discurso de planeta saudável para encher a Amazônia de soja (usada para produzir o eco-combustível). ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

17/12/2014 - Bangue-bangue lírico

Quando olhares se miram e se atiram um no outro como numa bangue-bangue lírico, é fato empírico que a paixão se aproximou para ficar. Entre corações atingidos e sangue fervido, o amor, seja permitido ou proibido, deixa sua marca. E não importa quem dispara primeiro, mas quem apara o outro antes. Diante do tiroteio de emoções, o faroeste está além de sim e não, pois o amor acontece nos senões.


Comentar Seja o primeiro a comentar

26/10/2015 - Banhação

Banho de chuva. Banho de manjericão. Banho de luz. Banho de sal grosso. Banho de poeira. Banho de perfume. Banho de ilusão. Banho de confete. Banho de ouro. Banho de mel. Banho de lavanda. Banho de sabonete. Banho de lama. Banho de açúcar. Banho de fogo. Banho de tinta. Banho de areia. Banho de folha. Banho de flor. Banho de semente. Banho de raiz. Banho de verde. Banho de música. Banho de loja. Banho de prazer. Banho de espuma. Banho de bruma. Banho de mar. Banho de rio. Banho de cachoeira. Banho de ar. Banho de chocolate. Banho de língua. Banho de fé. Banho de energia. Banho de todo dia. Banho de lua. Banho de prata. Banho de choro. Banho de sol. Banho de verniz. Banho de anis. Banho de brilho. Banho de balde. Banho de caneca. Banho de chuveiro. Banho de banheira. Banho de orvalho. Banho de gato. Banho de chuva.


Comentar Seja o primeiro a comentar

10/11/2014 - Banho de chuva

Tomar chuva não é para qualquer um. É preciso ter uma elegância natural para se viver um bom banho de chuva. Primeiro, é bom que se diga, nada de sair correndo ou se cobrindo seja lá com o que for. Conta pontos negativos também para aqueles que não veem a hora da chuva passar ou de chegar ao telhado mais próximo. Os passos têm de ser espontâneos ligados diretamente ao prazer que há nisso tudo. Também não é permitida qualquer reclamação durante esse momento mágico, seja ela dita ou pensada. Danças e cantos são bem aceitos desde que em harmonia com a chuva, jamais tirando dela o protagonismo da história. É fechar os olhos e se conectar com aquele tempo. É sentir tudo de ruim sendo limpo pela chuva. É perceber sonhos, já dados como perdidos, recuperarem a cor, o viço, a seiva... É se comunicar com deus. De maneira alguma o corpo deve se curvar ou se encolher pelos efeitos da chuva por mais fria que ela seja, pelo contrário, é preciso se oferecer à chuva. Nada de se preocupar com sapatos, roupas, cabelo, maquiagem... Tudo isso é menor do que os bens trazidos pela chuva. Portanto, ao ver o horizonte chuvoso a sua frente pense duas vezes se está preparado para se dar à chuva.


Comentar Seja o primeiro a comentar

28/01/2012 - Barba estrela

Eu, a reencarnação do pirata barba estrela, navegarei pelos sete mares, pelos cinco continentes, pelos mundos real e imaginário até encontrar a cidade perdida onde brilha o sol de rubi. Por minha perna de pau, juro que navegarei e não descansarei até atracar no cais perdido da cidade proibida. Lá a rainha da terra submersa me espera com seus olhos de redemoinhos. Quero prender a imagem dessa mulher em meu olho de vidro e deixá-la nua no escurinho do meu tapa-olho.

Marujos! Todos ao convés. Levantem suas espadas e coloquem a solidão para andar na prancha. Os tubarões da escuridão estão famintos. Minto, eles estão sedentos de sangue. No fundo do mar tem um galeão afundado por um canhão. Coragem! Vamos desbravar o desconhecido, enfrentar monstros ancestrais e encontrar o amor jamais vivido por outros casais, tempos adiante ou tempos atrás. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

10/12/2008 - Barbárie, barbárie

Quero um elmo, uma armadura, um escudo e um cavalo marchador. Não, não quero ser um cavaleiro da Távola Redonda ou um novo Dom Quixote de La Mancha, quero apenas passar incólume por essa multidão que não sabe para onde e nem por que o vai com esse passo desmedido, corrido, iludido. Quero blindar-me, quero isolar-me, quero exorcizar-me desta seita de passistas e motoristas e ciclistas e motociclistas - os artistas do caos. E enquanto as donzelas se fartam dos bárbaros que passam sobre suas janelas, as senhoras da sociedade expurgam: barbárie, barbárie! ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

18/01/2013 - Barco meu

O meu barco vai sair do cais dos olhos de uma morena. O meu barco vai seguir mar adentro rumo ao que me disse uma pequena. O meu barco vai ziguezagueando pelas ondas livre da matemática e de seus teoremas. O meu barco vai poético, num sentimento carnal e fonético feito gaivota. O meu barco vai deixar para trás sem pena todos os dilemas da cidade grande. O meu barco é afinado na nota do coração. O meu barco é o tempo que expande sem parar. O meu barco é movido ao verbo gostar. O meu barco tem como comandante um pirata da ilusão. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

31/12/2015 - Barco rumo ao mar

Uma boa sorte para você. Toma o barco e confia no tempo que vai te levar rumo ao mar. Escolha o seu rio, sem medo, e deixa o barco correr ao vento que deus dá. É você quem segue nas águas e águas passadas têm que ficar para trás. São as águas novas que te chamam, que sustentam teu barco e te tão de beber. Aceite o que vem pela frente de bom grado e tudo mais deixa acontecer. Não pense no que está lá na frente, deixa fluir, o rio da vida leva o que tem para levar no seu tempo, com certeza e beleza, ao mar. E o mar é o todo, é onde a gente quer chegar, é onde a gente vai se encontrar com tudo o que sempre quis. O rio é sinuoso, sobe e desce, às vezes dá alvoroço, é mais largo ou mais estreito, mais fundo ou mais raso, dependendo da passagem, toda hora muda a paisagem, mas é o rio da vida que nos dá ao mar, como barquinhos cheios de sonhos e pedidos às mãos de Iemanjá. Deixa clarear. Deixa raiar. Deixa correr o rio que há em você. E vamos ao mar, vamos nos entregar, vamos nos deliciar com cada curva do rio. O hoje não volta. E o agora está mais perto do amanhã do que se pode imaginar. Viva o rio da vida, com tudo o que ele pode te oferecer, sem deixar de sonhar, desejar e se ter com o mar.


Comentar Seja o primeiro a comentar

14/11/2009 - Bastidores do amor

Sem qualquer aviso, o amor chega na ponta dos pés para não acordar as defesas do medo. É como um vírus trazido pelo vento, entrando pela fresta do nosso corpo sem ninguém perceber. Ao contrário das pestes, tem aspecto doce e discurso leve. No entanto, toda candura se finda quando o amor violenta o pretendido coração. Em poucos segundos toma-o com a virulência dos exércitos das antigas civilizações. Não é à toa que amor e coração se confundem, afinal, é ali que o sangue se derrama por todo o corpo. Amor, plasticamente, é paraíso. Fisiologicamente, guerra. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima