Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 97 textos. Exibindo página 2 de 10.

30/06/2011 - Quando em quando

Quando descobri o seu mundo, eu me mudei. Quando vi suas asas, eu me joguei. Quando perdi o relógio, eu parei. Quando perdi, eu ganhei. Quando enlouqueci, eu cantei. Quando o muro chegou, eu pulei. Quando o cavalo passou, eu montei. Quando sua boca abriu, eu beijei. Quando a história terminou, eu chorei. Quando o pesadelo cresceu, eu gritei. Quando você não veio, eu me calei.

Quando tudo ficou mudo, eu falei. Quando esqueci seu rosto, eu voltei. Quando vi seu número, eu liguei. Quando o guarda apitou, eu passei. Quando você brigou, eu me rastejei. Quando percebi seu cabelo, eu me agarrei. Quando o vento bateu, eu bailei. Quando a noite subiu, eu brilhei. Quando o sonho falhou, eu acordei. Quando você se foi, eu me aproximei. Quando a solidão nasceu, eu a matei. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Quando em seu colo

Quando em seu colo, nada mais existe. Eu me absorvo e me sorvo de mim mesmo, quando em seu colo. Quando em seu colo, o mundo perde um pouco de seu azul e fica mais lilás - a mais feminina das cores. Quando em seu colo, ouço os gritos da fêmea que há em você. Quando em seu colo, sinto-me numa espécie de casulo, de cápsula, de semente... tenho a sensação de que vou ganhar um novo mundo a qualquer momento. Quando em seu colo, sinto o perfume de romã de sua boca rompendo todas as minhas manhas e manhãs. Quando em seu colo, a dor desaparece. Os pecados passam de sete quando em seu colo. Quando em seu colo, sou um pouco mago, feiticeiro, bruxo de mim mesmo. Quando em seu colo, acredito no amanhã. Quando em seu colo, os sabores são mais intensos. Quando em seu colo, sinto-me no meio de uma plantação de morangos. Os trens, os navios, os cavalos param por respeito ou por medo, quando em seu colo. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

26/06/2012 - Quando encontrar a pessoa amada

Quando encontrar a pessoa amada, celebre esse encontro como o acontecimento dos acontecimentos. Quando encontrar a pessoa amada, ame sem volta. Quando encontrar a pessoa amada, vá além das palavras inventando uma linguagem própria. Quando encontrar a pessoa amada, pague todas as suas promessas para não ficar com pendência alguma com as forças superiores. Quando encontrar a pessoa amada, passe a procurar você nela. Quando encontrar a pessoa amada, não perca um segundo sequer. Quando encontrar a pessoa amada, não peça somente mais anos de vida, peça mais vidas. ...
continuar a ler


Comentários Comentários (5)

09/03/2016 - Quando esse tempo chegar...

Quando tudo acontecer como dito não me venha dizer que foi obra do maldito. Quando tudo escorrer pelos dedos da sua mão não me grite querendo uma solução. Quando tudo desaparecer ao seu redor não se iluda dizendo que já foi pior, pois o melhor você jogou fora. Quando tudo o que você acredita cair não tente sumir. Quando tudo o que você postou for esquecido não adianta procurar nos achados e perdidos. Quando seu nome não for mais mencionado não adianta fazer pose e apontar para um culpado. Quando seu reino desmoronar de nada valerá espernear. Quando todas as cartas tiverem na mesa e a partida perdida creia que o caminho certamente não é a briga. Quando sua sombra for maior que o seu corpo tenha a certeza de que o sopro de deus não zomba. Quando a solidão se instalar definitivamente no seu eu será inútil clamar por perdão, será adeus.


Comentar Seja o primeiro a comentar

16/09/2011 - Quando eu era pequeno

Quando eu era pequeno, não me lembro. Quando eu era pequeno, sonhava em morar na lua. Quando eu era pequeno, tinha medo de crescer. Quando eu era pequeno, empinava sonhos. Quando eu era pequeno, zombava da morte. Quando eu era pequeno, acreditava que as bruxas não eram capazes de sair dos livros. Quando eu era pequeno, acendia vagalumes como quem acende abajures antes de dormir.

Quando eu era pequeno, me vestia de chuva. Quando eu era pequeno, sentia-me protegido por anjos sem rosto. Quando eu era pequeno, ficava invisível. Quando eu era pequeno, queria ser muitos em um só. Quando eu era pequeno, era parte de uma espécie de mitologia particular. Quando eu era pequeno, era íntimo dos senhores da imaginação. Quando eu era pequeno, meus silêncios tinham outro som. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

24/02/2008 - Quando eu morrer

Há quem deixe testamentos ou confesse suas últimas vontades à meia-voz. Eu, nessas linhas, escancaro o meu desejo. Quando eu morrer, não quero velórios, funerais, cemitérios. Não há nada mais sem graça do que aqueles túmulos um do lado do outro. Aquelas lápides frias, aquela terra pesada, aquele silêncio todo. Dá uma vontade de gritar, de sair correndo e mal-dizendo quem inventou tudo aquilo. Não estou blasfemando, posto que não acredito que as almas ficam por ali. Ao menos, as almas de luz. No fundo, cemitério é um depósito de corpos. É uma espécie de prova que você não existe mais. Há algo mais ridículo do que isso?...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

25/06/2011 - Quando o sol chegar

Depois de amanhã, quando o sol chegar, não vou sequer sair do lugar. Vou esperar na minha cama o futuro das ciganas, os amores de cabanas, as santidades profanas. Vou me emaranhar nas cordas de aço de um violão vagabundo, vou me embrenhar nas contas do seu coração moribundo. Vou esticar uma rende entre seus lábios e ficar ali tão perto tão quieto. Vou pedir uma canção inédita à primeira estrela que passar e, de verso em verso, vou lhe chamando para ficar e me amar...

E daí eu vou explodir, feito cigarra, de tanto cantar. Vou me jogar ao vento e deixar você ir buscar. Vou me espedaçar em mil palavras só para você me catar e me remontar. Sou seu quebra-cabeça. Sou seu pôquer das noites de terça. Sou seu passado, seu passatempo, seu pássaro. Sou sua palavra à toa, a roupa suja que ensaboa, o tom que destoa. Sou tudo isso e mais um pouco, mas, depois de amanhã, quando o sol chegar, não vou mais sair do lugar. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/09/2015 - Quando o violeiro passou

Quando o violeiro passou tocando sua viola, o asfaltou rachou e pé de tudo quanto é coisa brotou. Quem pedia esmola passou a pedir bis. A cidade se alegrou e até a dor pensou que era feliz. Quem estava sozinho se juntou e quem vivia separo se reencontrou. A música tomou de conta dos edifícios, do primeiro ao último andar, e desfez a impressão de que amar era um bicho difícil. O lixo virou semente. Doente saiu do hospital a dançar. Quando o violeiro passou, sobre o seu cavalo, tocando sua viola, tudo quando foi galo de enfeite cantou. Como circo chegando antigamente, a cidade se enfeitiçou e não falou de outra coisa senão da batida do violeiro que foi absorvida por dentro até mesmo por quem já vivia com o peito seco. A música floriu o beco, plantou sonhos na avenida e revirou a terra dos corações, preparando-os para receber o amor. Quando o violeiro passou de cavalo, viola e chapéu até quem não acreditava em santo, tomou-se de encanto pelas coisas do céu. E quando o violeiro passou, indo-se embora, sem demora a noite caiu e sua viola pintou no céu uma lua de mel. E teve apaixonamentos e entregamentos e casamentos num piscar de segundos como se o amor tivesse chovido no mundo.


Comentários Comentários (1)

18/08/2016 - Quando perto de quem amo

Quando perto de quem amo, tudo muda de figura. Sinto-me um ser completo. Sim, você preenche e encaixa os meus lados masculino e feminino com precisão. Não há nada melhor do que você. Eu sei que só desci a esse mundo porque de certa forma eu sabia que iria mais dia menos dia te encontrar. Tudo fez sentido a partir do nosso reencontro, pois já havia te encontrado em vidas anteriores com um outro corpo, mas com o mesmo amor.

Quando perto de quem amo, quero te levar para uma casinha no alto da serra. Contemplo cada átomo seu. Instalo-me nos seus olhos como um pássaro querendo ninho. Não tenho vergonha de pedir colo. E tenho menos vergonha ainda de declarar o meu amor a quem quer que seja, a qualquer hora e em todo lugar. Cada igreja, cada templo, cada altar que vejo sinto vontade de casar e recasar com você. Minha boca é fatalmente atraída pela sua. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

22/05/2012 - Quando se ama

Quando se ama, do mundo geral, cotidiano, nasce um mundo particular. Quando se ama, todos os elementos se alinham. Parece haver harmonia em tudo e em todos. O romance funciona como pintura e também como moldura. O amor deixa a vida mais descomplicada, possível de ser vivida por inteiro. Acaba-se a pressa, aliás, cria-se um novo conceito tempo, com um lampejo mais autoral.

Quando se ama, há sempre uma alternativa para ser feliz em qualquer ocasião, sob toda circunstância. Quando se ama, todos os medos cabem numa folha de papel. O coração é passado de boca em boca, beijo a beijo. Nessa época, tudo o que se prova, gosta. Tudo o que se veste, combina. Tudo o que se quer, consegue. O amor é um repertório espontaneamente leve, que boia entre nuvens, astros e estrelas. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima