Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 231 textos. Exibindo página 2 de 24.

A dor não cessa

Sem você, não há porquê.
Sem você, as horas se escondem.
Sem você, as palavras me sufocam
Os risos demoram a chegar
E quando chegam não tem o mesmo sabor
De quando ridos com você.

Sem você, os dias tendem a passar.
Tanto faz se é sol ou lua o que se dependura no céu.
Sem você, voa-se mais baixo nos ares da imaginação.
Sem você, os lugares ficam inabitáveis.
Sem você, até o silêncio desafina.
Sem você, os planetas se perdem de suas órbitas....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

A estrada da mulher amada

Para onde vai à estrada da mulher amada
Que caminhos percorrem
E onde vai dar essa caminhada
Se é que a estrada tem fim ou saída
Estrada real
Estrada proibida
Quantas as encruzilhadas
Com direito a pais-de-santo
No trajeto de labirintos da mulher amada.
Quantas bifurcações
Pontes e pontilhões
Trilhas e descampados
Montanhas e abismos
Furacões e abalos sísmicos
Nos passos da mulher amada.
Em alguns trechos...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

01/06/2015 - A falta do que não se sabe

Mesmo tendo aos pés o vasto mundo
Muitos reis ainda se sentem vira-latas
Às vezes temos tanto e temos tudo
Mas a sensação de que algo nos falta
De que ainda não estamos satisfeitos
É o que azeda o tal prato da existência
É o que desandará o ponto do perfeito
Essa incompreensão é o maior defeito
E essa gula pelo que nem se sabe o que
É a mais pesada das nossas penitências
É como se a incompletude do nosso existir
No ir e vir marcasse sempre sua presença...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

A falta que você me faz

Ah! Já não posso mais
Viver assim
De tontura em tontura
Só caindo num amor demais
Não posso mais
Viver assim
De procura em procura
Só encontrando em mim
A falta que você me faz
E que nem o tempo desfaz...

Ah! Meu anjo querubim
Diga-me uma resposta
Mais fonética
Do que o fim
Contido em suas costas
Vamos, vá além da tréplica
Para me dizer o porquê
De me deixar assim
Assim sem você......
continuar a ler


Comentários Comentários (2)

29/05/2016 - A filha do sol

Foi ali
Olhando você
Trabalhar ao sol
Foi que decidi
Quem ia amar
Pelo resto
Dos meus dias

Foi ali
Olhando você
Desabrochar sol
Não tive dúvida
Não tive escolha
Meus olhares
Só viam você

Foi ali
Olhando você
Chegar lá do sol
Foi que jurei
Para mim mesmo
Nunca te deixar
Partir de mim

Foi ali
Olhando você
Raiar um novo sol ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

22/11/2013 - À flor da lua

Pelas vielas
Do medo
Eu lhe tenho
Eu lhe guardo
Em segredo
Pelas janelas
Do arvoredo
Eu me venho
Eu me dou
Pelas sobras
Do que fui
Pelas obras
Que o tempo
Não rui
Ou dilui
Eu sou lenho
Que não cai
Sou prenho
Que se vai
De sentimento
Em sentimento
Garimpeiro
De luas
Ao relento.


Comentar Seja o primeiro a comentar

18/05/2016 - A incerteza da certeza

Não quero paixões rasas
Mas quem me dê asas
Não quero uma casa
Mas quem me dê estrada
A minha criatura amada
Deve me levar à loucura
Ao tempo que me segura
Para não ir em definitivo à lua
Não quero falas cruas
Mas quentes, ferventes,
Curtidas, amadurecidas
Proibidas ou não
Tudo deve ser permitido
Na seara da paixão
E que a incerteza
Da certeza
Seja um tempo não nascido.


Comentar Seja o primeiro a comentar

05/03/2016 - A jararaca está viva

Eis que a jararaca está viva
E ainda sibila altiva e forte
Enrolando a própria morte
Serpenteia pelo engodo
Da sua cruel existência,
Escamoteia de tudo e todos
Como se estivesse além
De qualquer penitência.

Vem jararacando impunidade
E raspa seus crimes no chão
Corrompendo a realidade
Que há entre o herói e o vilão,
Abarca os seus pares e prega
Que enfim trocou de casca
Quando só voltou à original....
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

15/07/2014 - A lança do destino

E eis então
Que uma princesa
De mãos pequeninas
E unhas bem feitas
Que beijei indefeso
Cravou a lança
Do destino
Que ela escolheu
Pra mim
Em meu peito.
Uma lança fria
E dolorosa
Que queima
E causa gritos
Silenciosos
E uma pane
Interior.
Uma lança negra
Como o esmalte
Que nunca usara
Nas mãos
Que se encaixavam
Perfeitamente
Nas minhas ...
continuar a ler


Comentários Comentários (3)

12/03/2016 - A lenda da cobra alada

Com asas e presas
Voava e serpenteava
Espantando, cobiçando
E levando à loucura
A hipócrita realeza.

A estranha criatura
Mulher, ave e cobra
Num esqueleto só
Tinha veneno de sobra
E uma vida de dar dó.

Se picava, se furava,
E se auto-flagelava,
Por prazer e deleite
E amava e desejava
Um corpo esgotado
De tanto querer.

E ela abusou
E se entregou
À própria sorte...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima