Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 111 textos. Exibindo página 7 de 12.

26/02/2015 - Toca o barco

Toca o barco camarada que o rio é grande e não dá para deixar tudo a cargo da correnteza ou do vento. Toca o barco, bora remar. Toca o barco de braçada. Toca o barco e para de reclamar. Toca o barco pra frente porque até a água é corrente. Toca o barco camarada fazendo do horizonte o norte da sua estrada. Toca o barco como se ele fosse flecha disparada do arco do passado rumo ao futuro que é agora. Toca o barco pro quarto da lua. Toca o barco cachoeira abaixo. Toca o barco sem se esquecer de escrever sua história nas margens do rio.


Comentar Seja o primeiro a comentar

20/03/2012 - Toda molhada

Ela chega molhada em casa cheirando à chuva. Seu cabelo escorre como um rio doce. Veleiros velejam pelas tempestades de seu corpo agitado. Suas palavras quebram como ondas. Sua boca está mais viva, trazendo o viço das plantas depois de uma noite de chuva. Chega aliviada como nuvem depois de descarregar seus raios e trovões. Dispensa sombrinhas e sapatos. Vem descalça pelas enxurradas, totalmente livre, dividindo as corredeiras com barquinhos de papel e olhares distraídos.

Sua pele vem úmida e semeada, como se cada pingo de chuva enterrasse a flor de seu tecido uma semente de desejo, ou de esperança, ou de felicidade. Brinca com as poças d’água. Em momento algum pensa em se esconder da chuva. Em determinado trecho, depois de absorver muito daquelas nuvens, ela passa a chover. E chove num contentamento de encher os olhos dos deuses da chuva. E quanto mais chove mais exala um frescor que causa suspiros e sons ainda não batizados. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

07/10/2011 - Toda noite

Toda noite, um beijo de boa noite. Toda noite, a cama forrada. Toda noite, uma estrela caindo um pouco mais. Toda noite, uma canção de ninar. Toda noite, uma lua num balão de gás. Toda noite, o perfume dos anjos da guarda. Toda noite a dança dos pirilampos e siriris. Toda noite, os olhos abertos da coruja. Toda noite, o medo de assombração. Toda noite, o amor e a revolução se casando sob lençóis. Toda noite, sonos e sonhos. Toda noite, contos de fadas e princesas.

Toda noite, corpos colados. Toda noite, uma xícara de chá. Toda noite, um capítulo inédito de novela. Toda noite, um novo mesmo jeito de adormecer. Toda noite, uma saia rodada de abajur ilumina o quarto. Toda noite, um gato em serenata. Toda noite, velas e preces acesas. Toda noite, corações de pijamas. Toda noite, beijos de néon. Toda noite, o mingau das almas. Toda noite, o vento batendo o portão. Toda noite, silhuetas e sombras. Toda noite, piratas avançando sobre o oceano da escuridão....
continuar a ler


Comentários Comentários (2)

20/01/2010 - Todo dia

Todo dia. Todo dia. O relógio desperta. Há uma agenda a cumprir. Os jornais trazem más notícias. A chaleira apita. A faca corta o pão. O corpo se banha. Lá fora alguém passa apressado. O cachorro quer comida. Todo dia. Todo dia. O jardim quer água. No mesmo barco há um perdão e uma mágoa. Soldados e mocinhos brincam com balas de festim. E alguém se olha no espelho e diz: será que Deus tem pena de mim?

Todo dia. Todo santo dia. O sol insiste em ser quente. O pássaro canta em troca de alpiste. O tanque bate, o ferro passa e a mulher veste a roupa. Todo dia. Todo dia. O palhaço quer circo. O pobre sonha em ser rico. A mariposa ronda o abajur. A francesa faz beicinho para dizer bonjour. O dinheiro se vai. A conta vem. O mundo gira sem parar e diz: tudo continua no mesmo lugar....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

13/06/2016 - Todo dia uma semente

Toda manhã, quando acordo, sou semente. Pura e simplesmente, uma semente que precisa encontrar forças dentro de si mesma para dar vida ao que sou. Então eu arrebento a casca e ganho à luz. Eu nasço, eu broto, eu existo. Anteontem fui um jequitibá, ontem fui goiabeira, hoje sou mangueira, amanhã já não sei. Cada dia eu sou algo novo, diferente, mais frágil ou resistente, mais belo ou tímido, mais árvore ou mais gente, mas com a mesma seiva. A minha aparência muda. O meu ângulo de ver o que está ao meu redor muda. As minhas raízes, ora mais fundas ora mais rasas, ora mais ao leste ora mais ao sul, mudam. Somente o que não muda é a minha seiva. Podem me cortar, me ferir, só para me verem sangrar. É seiva. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/12/2014 - Todo o amor do mundo

Todo o amor do mundo até o fim dos tempos é isso que eu prometo ser, amor, amor, amor. Todo o amor do mundo a tudo o que foi, é e ainda será vivo um dia. Todo o amor do mundo aos que cantam, aos que dançam, aos que voam, aos que crescem, aos que movimentam a roda da vida que roda nos fazendo rodar. Todo o amor do mundo aos que se dizem apaixonados e, principalmente, aos que vivem como apaixonados. Todo o amor do mundo aos que flertam com a lua e se sentem transformados em noite de lua cheia. Todo o amor do mundo aos que como eu se dão em sentimento. Todo o amor do mundo aos que caminham de dentro para fora. Todo o amor do mundo aos que acreditam no faz-de-conta. Todo o amor do mundo aos que enxergam nuvens de palavras no céu. Todo o amor do mundo a quem não tem vergonha de professar o seu amor. Todo o amor do mundo aos que amam demais.


Comentar Seja o primeiro a comentar

04/07/2012 - Todo santo dia

Todo dia tem notícia de polícia e ladrão. Todo dia tem preguiça e confusão. Todo dia tem café com pão em alguma esquina. Todo dia tem menino de olho em menina e vice-versa. Todo dia tem engarrafamento de carro, de pensamento e até de sentimento. Todo dia tem tempo, falta de tempo e muita pressa. Todo dia tem promessa de felicidade. Todo dia tem sonho na vitrine da padaria. Todo dia tem uma dose caprichada de fantasia e saudade.

Todo dia tem achados e perdidos. Todo dia tem algo de proibido. Todo dia tem conta pra pagar. Todo dia tem onda quebrando no mar. Todo dia tem novela, fofoqueira na janela e donzela em perigo. Todo dia tem mortos e feridos. Todo dia tem uma mulher ainda mais bela. Todo dia tem seus poemas e dilemas peculiares. Todo dia tem paixões públicas e particulares. Todo dia tem um marciano perdido. Todo dia tem um desejo vencido. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

27/05/2012 - Todo tempo é tempo de recomeçar

Todo tempo é tempo de recomeçar. Recomeçar a sonhar para substituir sonhos mortos, sonhos perdidos, sonhos em coma. Recomeçar a conquistar o que já foi conquistado e o que ainda não se conquistou. Recomeçar a semear os canteiros, a povoar os viveiros, a buscar os terreiros. Recomeçar a abrir portas, cancelas, janelas. Recomeçar a desbravar os caminhos que levam ao destino.

Todo tempo é tempo de recomeçar. Recomeçar a lutar pelo que se que, pelo bem que se quer. Recomeçar a colher o que foi plantado no começo. Recomeçar a provar o que foi prometido. Recomeçar a correr riscos já superados. Recomeçar a iluminar os eclipses. Recomeçar a acender as velas pelas preces que não vingaram. Recomeçar a tocar o gado que ficou pelo caminho ou que tomaram outros caminhos. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

07/05/2012 - Todos à luta

Cavalariços não são cavaleiros. Aldeões não são soldados. Cavalheiros não são cavaleiros. Artesões não são soldados. Mas todos precisam lutar. Eles tremem. Eles não sabem a língua das espadas. Eles não suportam o peso de um escudo. Suas almas são armaduras vulneráveis. Cavalo e cavaleiro precisam ser um só olhar, um só ritmo, um só coração. Onde estão os guerreiros, os generais, os heróis? Será que são todos prisioneiros de um mal maior? O tempo. Os bravos estão extintos. A vitória é passageira, mas necessária. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

26/09/2013 - Tolice

Por que insistimos em nos ferir, em nos agredir, em reagir ao amor que emana de diferentes pontos? Insistimos nas trincheiras, nos ataques, no conflito puro e simples sem razão alguma de ser e, até mesmo, de acontecer. Por quê? Insistimos em agressões baratas que custam tão caras no final das contas e por quê? Porque somos tolos insistimos em machucar, em maltratar, em golpear de forma baixa quem sempre nos colado para o alto.

Por que insistimos em trocar farpas quando deveríamos dar e receber o que há de melhor em cada um de nós? Insistimos em remoer o que já está pra lá de moído, em ressuscitar fantasmas e provocar uma guerra zodiacal. Por quê? Insistimos em destruir, em ruir, em fugir quando devíamos edificar, restaurar e encontrar, e por quê? Porque somos tolos insistimos em falar e ouvir o que não se deve, fazendo de nossas línguas e ouvidos armas mortais.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   5  6  7  8  9   Seguinte   Ultima