Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 79 textos. Exibindo página 3 de 8.

02/09/2011 - Reconsiderações

Mande seus medos para a masmorra mais distante de seu reino. Acorrente suas frustrações de modo que elas não consigam voltar a sua cabeça. Alimente bem cada um de seus sonhos, dos mais próximos aos mais impossíveis. Eduque-se para o amor e também para a guerra. Reescreva seu destino quantas vezes for preciso. Traia para continuar sendo fiel aos seus valores. Peça perdão as suas dores.

Diga o silêncio sempre que não tiver nada lírico ou revolucionário para dizer. Ame sem posologias, precauções e sem contra-indicações. Chore para limpar os olhos e lavar as escadarias da sua alma. Guarde as lembranças do que não teve coragem de fazer no fundo do baú. Revire seus pensamentos, desarrume a ordem vigente. Quebre expectativas, iluda o espelho, encaracole desejos em seu cabelo. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

02/07/2010 - Redação de um órfão

Minha mãe morreu quando eu tinha quatro meses. Ou melhor, foi morta. Brutalmente morta. Não consigo me lembrar de seu rosto, de sua voz, de seu perfume. É como se eu nunca tivesse tido uma mãe. Arrancaram-me dela quando eu ainda nem sabia quem eu era. Tiraram-me de seus afagos, de seu leite, de suas expectativas. Só a conheci por fotografias. Aliás, há muitas imagens de minha mãe nos arquivos de jornais, revistas, televisão e internet. Minha mãe era modelo, mas, pelo que já li sobre ela, sua morte teve uma repercussão muito maior do que sua carreira. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

04/09/2011 - Refeição literária

Amanheceu e não tomou o café da manhã de costume. Torradas, sucos, geléias, pães, frutas ficaram sobre a mesa. Intocáveis. Estava sem fome. Ao menos, sem fome de comida. Ao menos, daquele tipo de comida. Sua mulher estranhou. Ofereceu-lhe então ovos mexidos, bolos de cenoura, pães de mel. Ele torceu o nariz. Estava entojado daquelas iguarias. Ela ainda tentou mais uma vez: champanhe? O não veio como num estouro de rolha, alto e seco.

A filha, aproveitando da situação, sugeriu que o pai pedisse uma pizza. Ele riu e saiu da mesa às pressas. Pegou um paletó e saiu dizendo que ia comprar comida. A esposa não entendeu nada e a filha lamentou a falta da pizza. Horas depois chegou com sacolas e mais sacolas. Mas não eram sacolas de supermercado com legumes, verduras, carnes, frios, enlatados supérfluos... Eram sacolas de livrarias. Pelo menos cinco delas. Nem sinal de comida. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

05/06/2016 - Refeito na terra

Hoje eu acordei colocando o pé na terra, conectando-me a tudo o que eu sou. Com bom caipira minha lira é carro de boi, minha viola é enluarada e dou oi pra passarada que faz festa no ribeirão. A mata me inspira, me fortalece e me vira do avesso, fazendo-me ainda mais coração. Meu endereço é um pé de jabuticaba e minha mulher amada é a ventania que me beija com seu hálito fresco todo dia.

Manchei a boca de amora, pequei com as pitangas e deitei pelas sementes como se meu corpo fosse linha para as miçangas. Veio uma carroça para me levar pra roça mas eu preferi ir nas asas de uma sabiá. Vi só deus sabe o que eu vi lá de cima, a doce lima virou limão. Bebi água de nascente, entreguei meu coração para água corrente, pintei-me de urucum e jurei que mal algum me tomba daqui pra frente. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

03/02/2013 - Refestelo

Vento minguante. Sol raso. Sonho moído. Trem de polvilho. Canto mudo. Boneca de barro. Noite febria. Coração de água. Pétalas farpadas. Nós de pirata. Pés suspensos. Palavras viradas. Promessa de barriga. Pássaro de chão. Fruta raiada. Bolo de lençóis. Menina ferina. Trovão azul. Barco torto. Chuva de baixo pra cima. Estrela oca. Índio negro. Ramas de lampião.

Vontade amolada. Nuvem invernada. Poeira de assombração. Sapo de pedra. Linha do destino. Sapato de fuligem. Casa de concha. Adeus no começo. Mulher quebranto. Braseiro de ideias. Morte arrependida. Buquê de pirilampo. Pecado de santo. Segredos de gaveta. Retalhos de superstição. Trova em réstia. Enredo de passaredo. Paixão urucum.


Comentar Seja o primeiro a comentar

22/06/2016 - Reflexão: o melhor a ser feito!

Somos formados por duas energias – positiva e negativa. Por isso, travamos um conflito interior diário com direito a ataques de riso e crises de choro inexplicáveis. E não há como ser diferente sendo compostos por duas forças tão distintas. Nossa grande batalha é buscar o equilíbrio, a harmonia, a paz em nosso íntimo. Não podemos desistir, cansar, ignorar esse duelo, pois nós somos o produto dessa luta. Se alimentarmos as forças negativas seremos dúvida, tristeza, arrependimento, frustração, desânimo, ira... já se alimentarmos o outro lado, a tendência é nos tornarmos pessoas melhores, mais conscientes e evoluídas, prontas para receber aquilo que nos cabe, prontas para aceitar o que nos destina, realizadas no amor....
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

04/11/2015 - Reflexões noturnas

Escuro. Escuridão. Sombras. Assombração. Relampeja. E me veja. Troveja. E me beija. Dá-lhe arruda. E me gruda. E me acuda. Chova. E me mova. Ilumina. E me sina. E me alucina. Minha menina. Clareia. Claridade. Clarão. Tempestade. Noite. Borrão. Açoite. Bicho-papão. Cama. Drama. Clama. Por Deus. Pela luz. Pelo breu. Para, continua, valeu. Lampião. Lamparina. Vela. Aquarela. Minha bela. Eclipse. Disse-me-disse. Desassossego. Sol negro. Estrela. Centelha. Friagem. Estiagem. Miragem. Time. Je t’aime. Bobagem... ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

28/06/2011 - Reflexões sobre a felicidade

O problema da felicidade é que ela acaba quando começa a tomar corpo. Ela não se apresenta ao som de trombetas e termina quando o desenvolvimento começa a ficar interessante. É a fábula da irrealidade. Nós a buscamos pela vida afora, dia após dia, e quando a encontramos não sabemos bem o que fazer com ela, já que não existe da maneira que pensávamos. A felicidade não é palpável, prevista, manipulável. Ela é nuvem. Cada dia está com um formato, com uma textura, com uma cor, com um ritmo...
...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

22/04/2014 - Regência íntima

O amor me rege da primeira à última hora do dia. Sou do signo da paixão. Meu mapa astral é nascido do ventre da lua cheia. Falo a língua das estrelas. As ciganas se emocionam quando nas minhas linhas do coração. Minhas previsões são líricas. Meu ascendente é a fantasia que oscila do carnal ao astral numa simbiose perfeita. Um anjo me confessou que a minha sinastria amorosa com minha bem amada é fora do normal. Minha posição astronômica ideal é quando estou imerso nos braços de quem amo. Recebo meu horóscopo da boca que me leva ao espaço. Meus aspectos planetários ficam à flor da pele quando perto da pele que traz tatuagens subcutâneas do cosmos que me forma. E querendo ou não o universo conflui para a conjunção do poeta e da poesia.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Registro civil

- Em que posso ajudar?

- Eu queria registrar meu filho.

- Você é o pai?

- Sou sim senhor?

- Parabéns, mas não me parece muito contente.

- É... Eu tenho dó dele.

- Desculpe-me, mas ele tem algum problema, não é sadio?

- Tem não seu moço. É um menino forte, encorpado, lindo.

- Então?

- Eu tenho pena é do futuro dele. Agora que ele tá mamando tá tudo bem, mas daqui um tempo a mué fica sem leite e ele já vai começar a chorá de fome. Sabe, eu tenho um empreguinho, mas é coisa pouca, depois com o tempo, já vai precisá de remédio, médico, brinquedo, roupa e essas coisas todas. Depois não sei se ele vai conseguir estudo, se vai arranjá emprego, se vai tê onde morar, se vai tê dinheiro para sustentá seu filho......
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima