Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 79 textos. Exibindo página 1 de 8.

02/05/2017 - Reveja-se

Que tal, mudar a direção do seu querer? Ao contrário de trazer tudo para si, ofereça-se mais. Não importe em abraçar o mundo, mas abraçar o que, de fato, importa, e se sentir abraçado. Pare de puxar tudo para si e se lance ao infinito. Pare de ser ancoradouro de sonhos e navegue, movimentando o que sonha. Estique às velas, confie no vento. Vá fundo em suas emoções, permita-se viver sem amarras, livre e em qualquer lugar. Quanto mais você se arriscar, mais vai ganhar. Peixe que não nada contra a correnteza não conhece o gosto do mistério, da paixão, da incerteza. Quem joga a ancora é porque não escuta o choro do barco, que não quer que o mar venha até ele, mas quer ir mar adentro. Basta de esperar milagres. Faça a sua vida! Aventure-se! Enloucure-se! E se cure de todo tédio, de todo mal, de toda solidão jogando-se no que há para viver. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

22/06/2016 - Reflexão: o melhor a ser feito!

Somos formados por duas energias – positiva e negativa. Por isso, travamos um conflito interior diário com direito a ataques de riso e crises de choro inexplicáveis. E não há como ser diferente sendo compostos por duas forças tão distintas. Nossa grande batalha é buscar o equilíbrio, a harmonia, a paz em nosso íntimo. Não podemos desistir, cansar, ignorar esse duelo, pois nós somos o produto dessa luta. Se alimentarmos as forças negativas seremos dúvida, tristeza, arrependimento, frustração, desânimo, ira... já se alimentarmos o outro lado, a tendência é nos tornarmos pessoas melhores, mais conscientes e evoluídas, prontas para receber aquilo que nos cabe, prontas para aceitar o que nos destina, realizadas no amor....
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

05/06/2016 - Refeito na terra

Hoje eu acordei colocando o pé na terra, conectando-me a tudo o que eu sou. Com bom caipira minha lira é carro de boi, minha viola é enluarada e dou oi pra passarada que faz festa no ribeirão. A mata me inspira, me fortalece e me vira do avesso, fazendo-me ainda mais coração. Meu endereço é um pé de jabuticaba e minha mulher amada é a ventania que me beija com seu hálito fresco todo dia.

Manchei a boca de amora, pequei com as pitangas e deitei pelas sementes como se meu corpo fosse linha para as miçangas. Veio uma carroça para me levar pra roça mas eu preferi ir nas asas de uma sabiá. Vi só deus sabe o que eu vi lá de cima, a doce lima virou limão. Bebi água de nascente, entreguei meu coração para água corrente, pintei-me de urucum e jurei que mal algum me tomba daqui pra frente. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

05/05/2016 - Ressaltando

Viola não se aprende na escola. Amor não se cura na farmácia. Taxista bom não fica parado na praça. O artilheiro não é o dono da bola. Só pode ser feliz quem já provou o que é ser infeliz. Um cachorro nunca vai embora. De nada vale o para sempre se ele já não existir agora. Não importa o que não foi por um triz. Não importa o que você quis. Importa o que você pede bis. Um porta-retratos não mente. Só é ausente quem nunca deixou de ser presente. Saudade é termômetro de querência. Só quem nunca pecou tem medo de penitência.


Comentar Seja o primeiro a comentar

16/04/2016 - Rio coração

O pescador desce o rio como se andasse dentro de sua própria casa. Sabe de cada curva, profundidade, correnteza. Porém, tem a consciência de que não é o dono daquele lugar. E esse respeito é o que garante sua vida. Enquanto ele não afrontar as regras do rio, regras íntimas, navegará em segurança por aquelas águas.

Ah, se fossemos como o pescador e respeitássemos o coração. Nós queremos nos apossar desse lugar que é regido por forças que não dominamos. Insistimos em domar o indomável, em tentar fazer o coração seguir o nosso ritmo, em ferir nos esquecendo da lei de ação e reação. Temos muito a aprender com o pescador. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

03/04/2016 - Rei do coração

O rei passou por aqui, o rei bebeu por aqui, o rei espiou por ali e jogou sua coroa no mar. O rei não quis mais reinar. O rei deixou aposentos reais, riquezas e banquetes. Trocou tudo por um ramalhete vivo que o fez redivivo. Ela tinha olhos de matagal, e não pertencia às casas de Espalha, Catalunha ou Portugal. Ela não era de sangue azul, mas de sangue verde. Um sangue que vertia em seus olhos, em sua alma, em suas esperanças. E o rei perdeu a cabeça por essa criança. Abandonou mantos, cetros, mulheres, filhos, conselhos, exércitos, muralhas pelo coração. Tornou-se o amante de um amor que se vingou. O rei que tanto fez chorar, chorou. O rei que tanto traiu, foi traído pela própria ilusão. O rei que tanto mandou, obedeceu. E mesmo aos farrapos, o rei dizia valeu trocar a linhagem pela apaixonagem.


Comentar Seja o primeiro a comentar

17/12/2015 - Reúsos

Dona Maria serve café em copo de extrato de tomate. Seu João só toma leite em copo de requeijão. Sinhá Genoveva guarda tudo no vidro de azeitona. Julieta e Romeu brindam com copos de milho em conserva. A velha Zezé toma cachaça no copo de geleia. Arlindo leva comida no pote de margarina. Margarida vai catando tudo quanto é copo pra encher de gelatina. Dona Zélia pega vidro e garrafa pra botar flor. Tonico bota porca e parafuso nos potes de maionese. A pequena Júlia, na falta de boneca, nina um vidro de shampoo rosa. Tudo vai se ajeitando, reciclando e se virando de pote em pote, de vidro em vidro, de gente em gente. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

04/11/2015 - Reflexões noturnas

Escuro. Escuridão. Sombras. Assombração. Relampeja. E me veja. Troveja. E me beija. Dá-lhe arruda. E me gruda. E me acuda. Chova. E me mova. Ilumina. E me sina. E me alucina. Minha menina. Clareia. Claridade. Clarão. Tempestade. Noite. Borrão. Açoite. Bicho-papão. Cama. Drama. Clama. Por Deus. Pela luz. Pelo breu. Para, continua, valeu. Lampião. Lamparina. Vela. Aquarela. Minha bela. Eclipse. Disse-me-disse. Desassossego. Sol negro. Estrela. Centelha. Friagem. Estiagem. Miragem. Time. Je t’aime. Bobagem... ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

05/10/2015 - Rumo às estrelas

Toma-me pela mão e me mostra a direção que devo ir para encontrar o reino das estrelas. Eu quero morar nas estrelas e ninguém me tira isso da cabeça. Mãe, leva-me para as estrelas. Pai, dá-me às estrelas. Como eu faço para chegar lá? Onde embarco às constelações. Que trem me leva a Centaurusa Andromeda, a Aquarius. Converso e enamoro com as estrelas e ainda posso tê-las na minha cama numa luminosidade que inflama. Como chego ao céu, ao céu das estrelas? Alguém escuta este que ama as estrelas por entendê-las queimando no infinito do universo. São centelhas, são luzes, são geometrias divinas que ficam tão lá em cima. Quero brincar, juntar e encaixar estrelas. Quero amá-las corpo-a-corpo, terra e céu, por sabê-las. Estrelas de néon, de batom, de mel. Eu vim das estrelas e às estrelas hei de voltar. Só preciso que alguém me ensine como chegar.


Comentários Comentários (1)

21/09/2015 - Rio dá no mar

As águas do rio vão dar no mar. Não importa o tempo, um dia elas vão chegar. As águas do rio só querem desaguar. E eu que sou folha caída na correnteza mais dia menos dia vou marejar. E como as águas não param de correr o doce vai se salgar. As águas vão e os peixes ficam. Peixe de rio não cai em rede de pescador que sai pro mar. Mas eu que sou folha caída na correnteza vou balançar nas ondas e cicatrizar o que fui naquele mundão de sal. Êe oceano, o homem do mato está pra chegar. Êe estrela do mar, vem pra ressaca me esperar.


Comentar Seja o primeiro a comentar

      1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima