Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 208 textos. Exibindo página 1 de 21.

02/11/2016 - E vamos em frente

Hoje é o dia dos mortos. E os mortos, na verdade, nunca morreram. Continuam por aí, vivendo de outra forma, em outros lugares, com outras missões. Portanto, muito cuidado, pois nosso choro, nossa dependência, nossa vontade de tê-los conosco fazem é atrapalhar suas caminhadas. Não é fácil se desligar da Terra, da família, dos amores, dos trabalhos, do que conquistaram com muito suor, do que desejaram demais. Então, não devemos atrapalhar esse desapego com lágrimas, desejos impossíveis, tristezas irremediáveis. A dor da perda não pode ser maior que o advento da vida. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

14/09/2016 - Eu quero esse amor!

Eu quero um amor que me tome por inteiro. Que chegue de mansinho e me coloque de cama, numa febre de querer mais e mais de tudo isso. Um amor sem hora para terminar e que peça, ou melhor, que exija todos os meus segundos para si. Um amor que me dê colo, que me dê corda, que me dê motivo. Motivo para viver intensamente, para acordar alegremente, para, de repente, estar aqui e ali vivendo um sentimento que não se aquieta em mim. Eu quero um amor que não me deixe em paz, pois amor acomodado não me interessa. Eu quero um amor sem pressa e ao mesmo instante urgente. Um amor que bote fogo na gente. Eu quero um amor bem cuidado para cuidar feito menino novo, que toda hora nos bota para correr atrás. Eu quero, ah como quero o amor que pulsa, que soluça, que nos impulsa a ser melhor do que somos agora. E nada desse amorzinho que sorri toda hora, que acha tudo lindo, eu quero um amor que chora pela coisa amada, que ora para ter forças de aguentar tudo de pé porque amor que é amor acaba virando mais dia menos dia uma prova de fé. Eu quero um amor que exija tudo de mim, inclusive mais do que eu possa dar, porque é por esse amor que eu vou, de fato, me buscar. E, quem sabe, enfim, por ele, por esse amor louco, jamais pouco, finalmente hei de me encontrar. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

09/08/2016 - Eu e você, a gente

Eu não desisto de você. Eu não me perco de você. Eu não abro mão do que sinto por você. Eu acredito na gente. Na gente junto. Na gente em conjunto. Caminhando. Realizando. Amando. Eu insisto em eu e você. Eu invisto no nosso querer. Eu me alisto a você. Eu e você, nosso amor bendito, nosso amor bonito, nosso amor que eu silencio e grito. Eu não me vejo em outra boca a não ser na sua. Eu não me quero em outros braços, só nos seus. Eu não procuro outros olhos porque mesmo de olhos fechados eu me acho nos seus.


Comentar Seja o primeiro a comentar

29/07/2016 - Estou aqui meu amor

Estou aqui para sentir as suas dores, hoje e sempre. Estou aqui para te dar colo, carinho e conforto eternamente. Estou aqui para ser sua fortaleza, suas raízes, suas nuvens. Estou aqui para cuidar de você de uma forma que ninguém nunca cuidou, com o coração exposto e um sorriso no rosto. Estou aqui para te fazer feliz, te fazer amada, te fazer a mulher mais especial do planeta. Estou aqui para ser seu a cada milionésimo de segundo. Estou aqui para fazer da sua manhã, da sua tarde, da sua noite, da sua madrugada... uma mais perfeita que a outra. Estou aqui para ir além de qualquer limite, para transpor qualquer obstáculo com você, para caminhar, voar, mergulhar, saltar ao seu lado... e para te levar no colo se preciso for. Estou aqui para te mimar, te adorar, te amar num prazer absoluto. Estou aqui para te dar meus braços, minhas pernas, meus olhos e o que mais precisar. Estou aqui para te fazer comidinhas, chazinhos, massagens e carinhos diretos da minha imaginação. Estou aqui pintado para o amor ou para a guerra, pois te amo e te defendo, e te protejo, e te cuido com a minha própria vida. Estou aqui, meu grande amor, para viver por você.


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/07/2016 - Eu nunca me esqueço

Eu nunca me esqueço do que podemos fazer juntos. Do que podemos construir, viver, aprender em conjunto. Eu nunca me esqueço que você é o meu endereço. É para onde todos os caminhos me levam. Eu nunca me esqueço desse amor sem paga nem preço. Amor que não cria caso e quem nem veio do acaso. Eu nunca me esqueço do quanto me aqueço em sua presença. É a minha sina, o meu destino, a minha sentença. Eu nunca me esqueço do quanto eu cresço em sonho, em fé, em coragem perto de você. Você é o meu ninho, a minha viagem, o meu bem-mais-que-bem-querer. Eu nunca me esqueço que eu nunca me deixo deixar você. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

17/06/2016 - Esse amor que me domina

Eu já não sei mais o que fazer com esse amor que me domina. É um amor tão forte que faz perder o norte, cura-me de todo e qualquer corte, torna-se maior que a morte. Que os poetas me amparem e que o coração não pare antes de dar por cumprido o romance que intriga até o senhor cupido. É um amor que perdoa tudo. É um amor para além deste mundo. É um amor cego, mudo, surdo... que vê sentimento, que grita o que palpita, que ouve o que crê. E não há unguento nem benzedura que dê jeito ou cura nesse amor que desafia os limites da razão e, quiçá, os da emoção. Dá-lhe esperança. Dá-lhe desejo. Dá-lhe paixão. Que amor é esse que se alimenta do sim e do não, é flor que se abre e rouba a cena independente da estação. Que amor é esse que me domina e que me dobra como uma esquina. Que amor é esse que me domina como caça nas garras da ave de rapina. Que amor é esse que me domina colocando o meu orgulho-rei aos pés de uma menina. Que amor é esse que me domina e me ensina que é preciso amar mais e mais, ainda mais, para então raiar descortinando essa neblina que turva o coração.


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/06/2016 - Entrega de metades

E não há de haver nada mais sagrado entre os que se amam do que a entrega de uma metade a outra. A entrega pura, espontânea e sincera de seres que são dois sendo um. E que tudo seja por inteiro, parte por parte até formar o todo se preciso for. Que todas as peças do quebra-cabeça estejam dispostas a se encaixar. E que haja confiança plena naquela pessoa a qual você se jogará num voo cego. Que seja tudo pelo amor que os une, sem quaisquer ressalvas. E que o amor, já começado, nunca termine. Que não se busque o fim, mas o eterno recomeço. Pois todo dia é dia de recomeçar a amar de um jeito diferente, novo, surpreendente. História alguma está terminada quando ainda há fôlego para novos romances dentro de um mesmo romance. A vida a dois jamais envelhece, pelo contrário, rejuvenesce corpo, alma e espírito se souberem encontrar a fonte da juventude que está em algum lugar do enamoramento. E que seja tudo pela lei da conexão, que está além da vontade humana. Permita-se o conectar com o que te conecta de fato, sem perder mais tempo procurando o que não vai achar. Como dito na primeira linha, entregue-se. Entregue-se ao que não dá para fugir. Aliás, como fugir do que está dentro de você? O amor, quando funde duas metades, acaba deixando parte de uma na outra. Pode relutar, tentar se enganar, pensar em alternativas, mas a certeza é de que somente com a sua metade você será completa. E sabe-se lá quanto tempo demoraram para se reencontrar, para ter uma nova oportunidade de fusão, para poderem se oferecer uma a outra? São muitas as perguntas, mas a resposta que deve ser ouvida pelo coração é a de que não há de haver nada mais sagrado entre os que se amam do que a entrega de uma metade a outra.


Comentários Comentários (1)

28/05/2016 - E a primavera não chegou

Por noites e dias, preparei o jardim. O meu jardim particular, íntimo, secreto ou não. Sem parar, cuidei do terreno, em dias frios, quentes e amenos, esperando a primavera chegar. Mas tudo era verão, outono ou inverno. Protegi as sementes de nós dois do vento, dos corvos, dos ratos... Deixei de comer, de dormir, de viver para proteger as sementes do que eu pensei que seria uma estrada florida, perfumada, repleta de casais de mãos dadas, de crianças brincando pelas pétalas, de pássaros se deliciando naquela aquarela de cores. Vigiei as sementes do passado acreditando que quando a primavera chegasse elas nos trariam tudo o que queríamos dali para frente. Porém, a primavera não veio. Secaram meus jardins de dentro, deixando-me sem início e sem fim, no deserto do meio. Mesmo assim, não me desfiz das sementes. Continuei esperando pela primavera. Fui perdendo as forças físicas, mas não a fé de que ela chegaria. Porém, o corpo não aguentou e tombou. E uma ventania roubou as sementes de mim. E, enfim, quando o fim chegou eu, mesmo com tudo aparentemente perdido, acreditei. Fechei os olhos e vi a primavera com seus olhos verdes, carregando uma rosa azul, colorindo jardins de norte a sul. Era como se aquele perfume primaveril nunca tivesse me deixado. Resisti tanto tempo em vão para finalmente entender que a primavera não chegou porque, e simplesmente porque, nunca me deixou.


Comentar Seja o primeiro a comentar

14/05/2016 - Entrega das asas

Só pássaros com asas voltam pro ninho. Os que perdem suas asas, seja por amor ou o que for, caminham por aí sozinhos condenados ao chão. Por isso, preste atenção, por maior sua certeza na paixão, não entregue suas asas. E se se for para entregar, mesmo sabendo de todos os riscos de nunca mais voltar para casa, bendito seja o amor, pois só ele será capaz de te guiar quando não tiver mais asas.


Comentários Comentários (1)

09/05/2016 - Eu não sei o que sei

Eu não sei o que sei, o que deveria saber, lembrar ou esquecer. Eu não sei para onde fui, onde estou e por onde vou. Eu não sei se subo ou se desço a estrada, se eu me apego ou se eu deixo a coisa amada. Eu não sei o que me espera, se é inverno ou primavera. Eu não sei por quem me apaixonei, se pela bela ou pela fera. Eu não sei se hei, se há, se haverá amor de agora em diante. Eu não sei se minha cidade é real ou delirante, se minha vontade é carnal ou galante. Eu não sei se desperto, se adormeço, se perto, se disto, se esqueço. Eu não sei se escrevo, se dito, se dispo, se visto, se posso ou se devo. Eu não sei se em entranho, se me estranho, se me convido ou se me despeço. Eu não sei se peço ou se tomo para mim o que é meu por sonho e direito. Eu não se entorto ou endireito. Eu não sei se é o fundo do poço ou o apogeu, se o amor já é o gigante ou ainda um pigmeu. Eu não sei se é bem-feito, se é perfeito, se é o jeito que deus deu. Eu não sei se há, se haverá julieta para o meu romeu. Eu não sei se estou bem ou sem, se sou alguém ou ninguém. Eu não sei se sou sozinho ou multidão, se eu caminho ou se paro na contramão. Eu não sei se sou velho ou novo, escaravelho ou corvo, garça ou graça. Eu não sei se sou o que sempre quis ou o medo que tem de ser feliz. Eu não sei se sou o menino louco pela menina ou o menino pouco para a menina. Eu não sei se sou o que termina, o que começa, o que ensina, o que tropeça, o quem vem de marte ou da china. Eu não sei sou arte, se sou parte, se sou incluso ou inconcluso. Eu não sei me usam, se me cruzam, se me abusam. Eu não sei o que sei que em mim, por mim, para mim amores se lambuzam.


Comentar Seja o primeiro a comentar

      1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima