Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 91 textos. Exibindo página 9 de 10.

Brasil: a grife da miséria


"Reze pelo Haiti, chore pelo Haiti, o Haiti é aqui, o Haiti não é aqui". Como esquecer os versos de Caetano quando o sentimento é o mesmo. Haiti? Brasil: país emergente, país do futuro, país das promessas e do crescente abismo social. Ricos, pobres (antigamente conhecidos como classe média) e miseráveis. Três classes, três sinas, três faces e um país.

Caro(a) leitor(a), creio que nunca sentiu a fome consumindo seu corpo, ainda tem um lugar para morar e uma renda que lhe permite viver, independentemente de quais forem as condições, mas permite. Entretanto deve ter percebido que a miséria está mais próxima. Basta andar pelas calçadas, principalmente as do centro da cidade, para perceber que não terá mais o mesmo passo despreocupado enquanto pensa longe ou admira alguma vitrine. Ao caminhar somos obrigados a desviar, não das pessoas que andam na direção contrária, mas das que fazem da calçada um ?ponto de esmolas?. Quantas as mãos estendidas, vazias e ociosas que pendem em nossa direção em busca de centavos de reais. Mãos da esmola....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

20/04/2010 - Brasília, que cidade é essa?

Ora, a poeira esbranquiçada sobe erguida pelo vento encontrando-se com a vermelhidão do sol. Ares de sertão. Ora, o mesmo vento lambe as águas do lago oceano criando ondas que transformam a cidade. Ares de litoral. Brasília, que cidade é essa? Que cidade é essa que não tem praça da matriz? Que cidade é essa que não tem esquinas? Que cidade é essa onde os prédios não têm muros? Não! Não quero falar da Brasília da política, tampouco da Brasília das invasões ou das mansões. Quero falar da cidade paisagem. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/11/2015 - Breve e certa

A felicidade rompe quando a tristeza se corrompe. Aproveite as falhas do triste. A felicidade é a brevidade do que existe. Ninguém é feliz para sempre, mas todo mundo pode ser fruto, flor e semente. Basta aproveitar as oportunidades. Basta não querer viver de saudade nem de anti-realidade. Não morda a isca da felicidade distante. A felicidade, como amante, mesmo abstrata e proibida, deve andar perto. A vida é um deserto, então, aproveite os oásis que surgem como miragem em seu caminho. A agulha por mais pontiaguda precisa da maciez do linho para dar os pontos necessários no destino. Se o espelho mostra um homem é porque um dia já aprisionou o menino.


Comentar Seja o primeiro a comentar

22/09/2016 - Breves apontamentos para sempre

Não procure o que não perdeu. Não acabe o que não começou. Não insista com o que não acredita. Não minta se não se convenceu. Não apele se ainda não perdeu. Não mie se nasceu pra latir. Não fuja se não sabe o que quer. Não aja se não quer uma reação. Não peça um tempo se já decidiu. Não durma sem ter sonhos. Não ignore o amor, seja ele qual for.


Comentários Comentários (2)

29/01/2011 - Brevidade, o pássaro que não nasceu

De repente, terra e céu se encontram numa queda. À margem da estradinha, entre o lago horizonte e sobrados de concreto, um pássaro. Uma ave pequenina, recém-caída do ninho, sob um sol de suores e tonturas. Solitária, abandonada, perdida. Nenhum sinal da mãe, do pai ou do restante da ninhada. Ali, só havia aquele bocadinho de vida pulsando cinza se equilibrando em uma galha rasteira, com o bico aberto de fome, ou de calor ou de pranto.

Antes da chegada de gatos, crianças e carros distraídos, era preciso resgatá-la. Um drible pra lá, uma corrida pra cá, um mergulho acolá. Pronto. Em pouco tempo a ave já está dentro do carro tomando água mineral. Ao chegar a sua nova casa, ao menos na qual passaria os seus primeiros dias, fica instalada provisoriamente em um ninho de periquito. A comida também é improvisada: alpiste, painço, quirela, angu de fubá, minhoca. Tudo dado diretamente em sua garganta, com muita calma e delicadeza. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

21/02/2014 - Brigadeiro de panela

Sou brigadeiro de panela manchando seus lábios, grudando em sua boca, querendo ficar até o mundo acabar. Quero ser comido por seus olhos, te dar água na boca e ser lambido na colher. Raspa-me até o último bocado e me leva pra dentro de você de um jeito que só a gente consegue entender. Coma-me sem receio de engordar, pois sou feito de sonho, do teu sonho. Tenho o seu ponto ideal, afinal, você me fez assim ao seu gosto. Sou batido e mexido e levanto fervura por você.

Sou seu brigadeiro de panela e só aceito ir pela suas mãos. Leva-me a sua boca numa levada louca. Prova da minha quentura, da minha textura. Se lambuze de mim com toda sua formosura. Sou brigadeiro de panela, por favor, não me enrola. Tenho urgência de você, vai me soprando e me mordendo. Me coloca na boca. Sou brigadeiro de panela querendo deslizar pela sua pele, ficando mais e mais doce em você. Coma-me, coma-me, coma-me... Ai, me coma de uma vez e para sempre, intensa e urgentemente. ...
continuar a ler


Comentários Comentários (2)

28/04/2011 - Brilhar, brilhar, brilhar

Mande notícias, mande postais, mande sinais... Quero notícias do brilho dos seus olhos que não brilham mais. Será que suas estrelas caíram ou submergiram na névoa espessa que cobre seus olhares. Quero informações do ocorrido, todos os detalhes do que tem vivido e sofrido. Mande notícias de dentro de você, das mais banais às mais complexas. Fale dos caminhos que tem percorrido, dos vinhos que tem bebido, dos carinhos que não tem recebido. Fale das suas frustrações de mocinha, dos seus sonhos de vilã. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

15/02/2015 - Bucolismo roxo

As quaresmeiras já desnudam suas flores arroxeando o dia numa litúrgica poesia. As quaresmeiras com suas pétalas macias e folhas ásperas vão dando um tom de nostalgia pelos ares que as circundam. As quaresmeiras transformam o vento alegre, aquele de espírito jocoso, em movimento choroso. As quaresmeiras são fogueiras de dor e delicadeza que se atrevem a desafiar os sorrisos e as faltas de juízo. As quaresmeiras retorcidas pelos jardins parecem velhas, mais velhas que o tempo, ensinando que no lido com a tristeza a gente ainda é aprendiz. As quaresmeiras dão as flores da penitência algo que colore em tons pesados até mesmo a maior inocência. As quaresmeiras são árvores do cortejo diário que resolvem em algumas semanas florescer a dor do mundo que acumulam ao longo do ano. As quaresmeiras choram lilases, violetas, roxas lágrimas em florescência. As quaresmeiras cantam baixinho, gemem e murmuram dias arroxeados e sem perdão. As quaresmeiras são bucólicas chegando a dar cólicas no coração, apaixonado ou não...


Comentar Seja o primeiro a comentar

28/07/2008 - Burocratizaram o mundo!

Antigamente, o ato de viver era bem mais simples. Hoje, há burocracia para todos os lados que se olhe. Há algumas décadas, chovia sem qualquer pretexto. Rezava a lenda que bastava São Pedro querer para a água cair do céu. Agora, tem uma história de frente fria, de massa de ar quente, de vento inter-tropical que sopra do continente para o mar. Enfim, burocratizaram a chuva. Outrora, vestia-se de acordo com o espelho e pronto. Hoje é preciso seguir a moda, a tendência, o contemporâneo.

Antigamente, um único médico dava jeito em tudo quanto era doença. Hoje, é preciso ir ao especialista do especialista do especialista. O paciente, tal e qual uma peteca, é jogado para lá, para cá, para acolá sem conseguir resolver o seu problema. O olhar clínico foi substituído por exame disso e daquilo. Em outros tempos, uma palavra ou um aperto de mão selava um acordo ou um contrato. Agora, faz-se necessário vários fiadores, testemunhas, consultas de crédito, antecedentes criminais, comprovações de salário, reconhecimentos em cartório... ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/09/2014 - Buscadeiro

O que é que eu vou fazer com essa comichão? Eu andei pensando em mudar de planeta, de corpo e até de ponto de vista, mas dificilmente a abelha consegue distinguir entre a flor e a florista. O perfume do amor é o que me move. Posso estar cego de olhos abertos ou cerrados, sigo caminhando, flutuando, nadando, arrastando, voando, escalando ao encontro do que me mantém apaixonado. E o auge da paixão é justamente o processo da sua busca, integrando a conquista não conquistada e a saudade sangrada numa mesma tela pública e aberta.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   6  7  8  9  10   Seguinte   Ultima