Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 278 textos. Exibindo página 2 de 28.

15/09/2012 - O amor é lenda

O amor não pode vencer todas as guerras. Um dia o amor cai sobre a terra. Até o maior dos poetas erra quando fala do coração. Labirinto de lampejos, calabouço de desejos, encontro de realejos. O coração é embarcação à deriva, tesouro de pirata, náufrago em alto mar. Ora é espada ora é escudo, ora é nada ora é tudo, ora é mudo ora é surdo ora é cego, assim é o amor, incompleto mesmo completo. O amor é o encontro de tetos, de prediletos, de dialetos, de afetos.

O amor constrói ao mesmo tempo em que destrói o que construiu. É o ciclo contínuo, o movimento que nunca termina. É invenção permanente. É a contravenção das regras. É a promessa de luz sobre as trevas. O amor é a lenda do invencível, do impossível, do incrível. Porém, mais do que um mito, um super-herói, um deus, o amor é o remédio humano contra o tédio. O que seria da humanidade sem suas paixões? Saudade e grilhões... ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

24/02/2010 - O amor é mais

Podem me criticar e até zombar de mim, mas eu não vou parar de falar de amor. Longe de capricho ou fetiche, falando de amor, e só assim, é que eu existo. Não minto. Meus textos de amor não são tratados, estudos científicos ou resoluções programáticas, tratam apenas, se quiserem pensar dessa forma, de palavras codificadas pelos corações. Portanto, talvez minhas escritas não façam uma revolução na vida política do país, mas são capazes de dar outro matiz a quem não diz o amor.

Meus textos pretendem dar à vida uma face mais leve e sentimental. Ao boicotar sentimentos endurecemos a existência. Meus artigos amorosos são uma forma de pedir clemência à ditadura do anti-romantismo que foi instalada. Eu faço rimas, sim. Eu verso e versejo o mundo, sim. Que mal há em um poeta falar de amor? Será que vão me censurar? Será que vão me enlouquecer e me ofender e me torturar? Podem continuar a me boicotar, mas não deixo de falar de amor....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

02/01/2010 - O amor e o divórcio

O número de divórcios vem batendo recordes. Pudera, o amor vem sendo abatido pelo amor. Como assim? Simples, abdica-se de um amor sob a justificativa de outro amor. Seja para procurar ou viver um novo amor. É como se milhares de pessoas descobrissem que elas vivem um pseudo-amor. Diante disso, sentem-se livres para tentar um amor ideal: inteiro, verdadeiro, real.

Pode parecer complicado, mas a raiz do divórcio está na deturpação do conceito de amor. Muitos acham que aquele sentimento que nutrem por outra pessoa, independentemente de tempo e intensidade, pode ser considerado amor. Paixões repentinas, amizades amorosas, conquistas juvenis, vontade de ficar junto, desejos são falsamente encarados como amor para vida toda sob a instituição do casamento. ...
continuar a ler


Comentários Comentários (3)

24/02/2012 - O amor e o gladiador

Pode ou não um gladiador amar para além da arena? Será que suspira por um perfume de mulher ou pelo cheiro de sangue? Será que ele grita de prazer ou de dor? Será que consegue empunhar rosas no lugar das espadas? Será que se expõe ao amor ou não deixa o escudo de jeito algum? Será que tem mais cicatrizes na pele ou no coração? Será que sonha com mulheres ou com batalhas? Será mais fiel ao seu dono ou aos seus sonhos? Será que troca a areia da arena por lençóis macios?

Pode ou não um gladiador amar para além da arena? Será que ele se entrega a uma paixão como se doa a um combate? Será que pediria misericórdia se vencido por uma mulher? Será que trocaria os grunhidos por sussurros? Será que é capaz de trair a morte, com quem desde que casou mantém uma relação de proximidade e de cumplicidade? Será que ele consegue abraçar alguém sem causar fraturas ou escoriações? Será que mesmo sendo considerado um titã teria ciúme? ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

18/05/2011 - O amor e o pânico na mesma canção

Quem tem medo de andar no bosque sozinho durante a noite? Quem tem medo de encontrar um ser metade homem metade bode na floresta? Quem tem medo das sombras e das caretas das árvores? Quem tem medo dessas e de outras coisas pode se preparar, pois hoje é dia de Pan, o deus dos bosques e do pânico.

Mas Pan, o deus que passava o tempo caçando nos campos ou dançando com as ninfas, também teve medo. Medo da solidão. Ele se apaixonou por uma ninfa chamada Syrinx, mas ela não quis nada com alguém que tinha pernas, orelhas e chifres de bode. Como não querer o amor de um filho legítimo de Zeus? ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

15/05/2014 - O amor é o que é

O amor não pergunta nada, tampouco responde, apenas flui. O amor não se apega a detalhes geográficos, tampouco se liga em gráficos, acontece e pronto. O amor não está nem aí para a opinião alheia, quer queiram quer não, ele dá as caras. O amor não tem forma definida, ele é abstrato e assim no auge da abstração se faz concreto. O amor é compreensível mesmo no calor da incompreensão. O amor é macro mesmo no micro. O amor não tem regulamento é solto. O amor nos faz tudo mesmo quando no sentimos nada.


Comentar Seja o primeiro a comentar

02/09/2012 - O amor é simples

O amor é simples. Acontece em qualquer lugar. Não requer luxo, tampouco títulos. O amor é simples. Ocorre no mundo, mas não tem nada de mundano. Está além dos cálculos matemáticos, das experiências científicas, das teorias filosóficas. O amor é popular como entrar na igreja e rezar. O amor é simples como brincadeira de rua. O amor é popular feito popstar. O amor é simples como uma lavoura de esperança. Como o nó da trança da lua, o amor é simples.

O amor é simples. Não tem bula. Não tem contraindicação. É simples como o fato da estrela brilhar, da terra rodar, da bailarina dançar. O amor é simples. Simples como um refrão. Simples como troca de estação. Simples como um sim depois de um não. O amor é simples. Sem maiores fórmulas e piores complicações. Não necessita de cerimonialismo, apenas do encontro do realismo com o surrealismo. O amor é simples como vertigem no abismo. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

10/10/2011 - O amor e suas coisas

Não há razão alguma para resistir ao amor em nenhuma de suas formas. O amor chega escancarando portas, desobedecendo a normas, quebrando correntes, ignorando o segredo dos cadeados. De nada vale fingir ou adiar o que não tem desculpa. O amor, mesmo perdido, acha a criatura amada, seja nos porões do esquecimento, nas masmorras da solidão ou em qualquer outro esconderijo físico ou psicológico. Não há tempo ou espaço que detenha a sina de um amor de se cumprir em nós.

O amor já nasce jurado a ser amor por toda sua existência. É algo que foge da compreensão da ciência, que une pecado e inocência num mesmo corpo, contentamento e sofrimento num só tempo. Pode se ferido, mas não destruído. Pode ser proibido, mas não banido. Pode ser traído, mas não proibido. Pode ser bandido, mas não subtraído. O amor pode se transformar, mas vai continuar a ser amor, amor, amor......
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

13/10/2011 - O amor me faz assim

O amor me domina, me tira do sério, me rouba o juízo, me dá sua língua. O amor me agiganta, me transmuta, me leva a outra dimensão. O amor nunca obedece as minhas fronteiras, rompe meus limites, confunde meu sim com seu não. O amor em mim é marco e micro, sol e chuva, luz e escuridão ao mesmo momento. O amor me multiplica, me acaricia e me esbofeteia com a mesma intensidade. O amor me transforma em saudade, em distância, em silêncio...

O amor me faz repensar a solidão, a ciência e o tempo. O amor me tira do chão, e depois me faz cair do céu mais alto, e depois ainda me entrega novas asas. O amor me condena, me inocenta, nunca me esquece ao longo de sua sentença. O amor me faz andar contra a corrente, matando ou morrendo em nome dele. O amor me lê e permite que eu o escreva. O amor me hipnotiza, me faz de gato e sapato e depois explode dentro de mim átomos e mais átomos de amor. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

25/03/2008 - O amor não pode ser reduzido a um arroto

De que adianta haver gritos de tantos doentes sem cura, sinais explícitos de um planeta a ser salvo, crianças caminhando para um futuro incerto se os cientistas dedicam seu tempo para ficar implicando com sentimentos que estão acima do explicável. Ah! Se eles ainda se dedicassem a descobrir uma fórmula que fizesse a humanidade se amar mais, mas, no mais, eles só criticam os apaixonados. Principalmente, os apaixonados demais. Pudera... O que esperar dos que acreditam que a razão supera a emoção, que os sentimentos são meras células nervosas e que o coração é apenas um músculo mecânico e substituível. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima