Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 278 textos. Exibindo página 28 de 28.

09/12/2011 - Outro dia noutro

Outro dia ela aparecia, ela sumia, ela bebia um drinque de lichia. Outro dia ela queria, ela pedia e não se ouvia. Outro dia ela falava fantasia, vivia de poesia e se lambuzava de ambrosia. Outro dia ela abria a janela, persuadia o vigia e fugia. Outro dia ela sabia, ela conhecia, ela se queria. Outro dia ela escurecia, ela reluzia, ela não se entendia. Outro dia ela fingia, ela sorria, ela sobrevivia. Outro dia ela fazia advocacia, engenharia, magia. Outro dia ela sumia numa anorexia. Outro dia ela benzia o meu nome, noutro ela não me sabia......
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

30/09/2013 - Outro tempo

Eu queria ter chorado no Olympia com Edith Piaf. Eu queria ter bebido um uísque, ao menos um uísque, com Vinícius de Moraes. Eu queria ter aplaudido Paulo Autran, olhos nos olhos, de pé. Eu queria ter conversado, numa prosa onde mais escutaria do que falaria, com Tia Neiva. Eu queria ter aprendido as pedras do caminho com Carlos Drummond. Eu queria ter caminhado no Jardim Botânico e depois pelas teclas do piano ao lado de Tom Jobim. Eu queria ter subido o morro de Mangueira pelas mãos de Cartola e Cavaquinho. Eu queria ter pegado o trem das onze com Adoniran. Eu queria ter marchado impulsionado por Chico e Caetano. Eu queria ter tomado um café com Fernando Pessoa. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

01/02/2015 - Outros homens

Eu sou tempo em que homens voavam sem medo para além das nuvens. Sou do tempo em que o coração não sofria de ferrugem. Sou do tempo em que para conquistar bastava sonhar. Sou do tempo em que as vidas não eram divididas entre o ter e o poder. Sou do tempo em que os amores, mesmo impossíveis, eram possíveis de se viver. Sou do tempo em que os relógios se cruzavam e davam origem a um novo tempo. Sou do tempo em que o horizonte era logo ali. Sou do tempo em que o sol e a lua podiam dividir o mesmo espaço. Sou do tempo em que o homem, quando abdicava de suas asas, virava árvore com raízes bem fincadas. Sou do tempo em que tudo era novidade e um simples beijo fazia o maior alarde no mundo sentimental. Sou do tempo em que as estradas se abriam ao coração. Sou do tempo em que os homens morriam por suas mulheres. Eu sou do tempo em que ao contrário de guerreiros e generais, os homens tinham alma de pássaro.


Comentar Seja o primeiro a comentar

30/10/2009 - Outubro rosa

Alguns meses têm cores próprias. Dezembro, incorporando o Natal, combina verde e vermelho. Janeiro veste branco, como as oferendas de Iemanjá e as promessas de paz. Julho é acinzentado por conta do inverno e setembro, colorido por conta da primavera. Já outubro é rosa. Rosa? Neste mês que está prestes a se esvair pelos meandros de novembro o Cristo Redentor e as famosas lojas paulistas da Oscar Freire foram iluminadas de rosa. Aliás, monumentos foram iluminados de rosa em várias partes do mundo. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/03/2011 - Ouvindo-se

Ouça. Ouça o que seus ouvidos não estão acostumados a ouvir. Ouça o seu corpo. Ouça as suas células se reproduzindo, seus pulmões se enchendo de ar, seus neurônios dando choque. Ouça seus pelos se ouriçando, seus beijos passados, seus pensamentos guardados. Ouça a sinfonia indiscreta e, ao mesmo tempo, secreta que é você. Ouça o silêncio em cada um de seus gritos. Ouça os movimentos ósseos e musculares. Ouça sua alma querendo sair do corpo. Ouça as corredeiras sanguíneas e os convites das linhas do destino que correm em suas mãos. Ouça suas unhas e cabelos crescendo num movimento quase que constante. Ouça sua anatomia transcendendo dos campos da física e da química para os terrenos da poesia. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

18/07/2010 - Ovos

A gema era tão vermelha quão o sangue da terra em que lavorava o dono daquelas galinhas. Os galos eram furta-cores, coloridos, índios de canelas alongadas e esporas afiadas. Cristas em riste, eles cocoricavam por aquelas terras descortinando o véu da noite e livrando suas noivas do açoite. Noivas de tantos vestidos e matrimônios. Com suas penugens pretas, marrons, brancas, ruivas e carijós desfilavam pelo terreiro arrancando suspiros dos frangos num amor praticamente impossível. Afinal, o destino dos frangos não era tão romântico assim: ou fariam companhia a uma boa polenta ali no sítio mesmo, ou viajariam até a cidade para conhecer outras bocas, ou ainda, se dessem sorte, substituiriam algum dos galos naquele galinheiro. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

04/02/2012 - Oxalá, salvai-nos!

Por todo encanto e pranto que há no ar, meu Senhor do Bonfim, volte seus olhos para a Bahia de Todos os Santos. Saravá Oxalá, não permita o mal reinar na terra de Caymmi, de Jorge Amado, de Mãe Menininha... Oxalá, senhor de todos, salvai-nos. Salvai-nos do terror, do ódio, da desordem, do desamor. Salvai-nos do caos dos homens.

Senhor dos panos brancos, cubra o seu reino com a paz da criação. Nem que para isso precise convocar as armas de Ogum, as tempestades de Iansã, as cobras de Oxumaré. Que Iemanjá leve tudo de ruim pras águas profundas do mar profundo. Meu senhor do Bonfim, tenha misericórdia de mim e de todos os que não querem o fim dessa terra....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

18/10/2013 - Oxossi me chamou

Meu pai Oxossi me chamou e eu estou aqui para o que der e vier, para chorar e sorrir. Eu estou nas árvores, com meu pai. Eu estou nas matas do meu pai. Eu estou nas águas que correm com meu pai. Eu estou sempre ali na companhia de meu pai. Sou arco e sou flecha nas mãos de meu pai. Sou pena, sou poema, sou cantilena, sou o que diz respeito ao meu pai e em nome dele exijo respeito e o que é meu por direito.

Meu pai Oxossi me chamou e eu ouvi, respondi e atendi seu chamado. Eu estou na magia encantada de meu pai. Eu vou nas forças de meu pai. Eu vôo com os pássaros de meu pai. Eu galopo com os cavaleiros de meu pai. Eu sou verde por dentro como meu pai. Sou o passo, sou o laço, sou o traço de meu pai. Estou na luz, estou no raio, estou no campo que é a casa de meu pai. Sou de Oxossi e estou a serviço de meu pai.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   24  25  26  27  28