Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 207 textos. Exibindo página 4 de 21.

10/12/2015 - Debaixo do meu nariz

Com giz de cera eu escrevo seu nome por onde eu passo. Deixo flores em todos os portões na esperança de um deles ser seu. Mando pombos-correios com versos inspirados em você pelos sete céus. Deixo cartas em garrafas em cada trecho de mar que visito. Vou aos shows, aos espetáculos, aos lugares que gosta tentando encontrar quem desencontro. Saio de mim e percebo o quanto de você ocupa o meu ser.


Comentar Seja o primeiro a comentar

01/12/2015 - Diferente

Ando tropeçando nos meus rastros. Vou me embaraçando no que já fui. Errando os mesmos erros. Trazendo para hoje o ontem que insiste em não ficar pelo caminho. O passado se agarra aos meus pés. Como ir em frente se ando pra trás? É preciso desapegar, largar de mão, compreender que nada é para sempre. Tudo que nasce tem de morrer. Tudo ganha ou perde encantaria. Nada é agora como já foi um dia. Nem eu, nem você, nem a gente.


Comentários Comentários (1)

21/10/2015 - Das penas às asas

Faça da pena que tem de si mesmo um par de asas e voe para longe dessa realidade. Não há idade para aprender que voar é melhor do que se esconder e só vai sofrer pra sempre quem assim escolher. Se as tempestades passam por que é que você vai ficar? Todos nós podemos e devemos mudar para continuar vivos e ativos no propósito maior de amar. E para amar o outro comece a se amar de verdade. Um amor que vai além da vaidade e não vive de saudade. Um amor construtor que se lança ao mar ora como pescador ora como mergulhador. Desata o nó que lhe prende à autopiedade. Para que ficar só com dó se também tem ré, lá, si, fá, mi, sol... No lugar de cantilenas, entoe poemas. A dor está aí, mas será que é só isso que você tem a descobrir em você? Por que não troca a conformidade pela vontade de viver? Como pode ter certeza de que não há mais nada de melhor a acontecer debaixo de toda essa tristeza? Troque o peso pela leveza e se deixe levitar, boiar no céu, voar ao léu. Aproveita a oportunidade de ser um lutador da vida e coloca o amor à frente que ele cicatriza toda e qualquer ferida e nos dá a dimensão de sermos pra sempre. E pena não dá semente, mas se transformar essas penas em asas poderá espalhar o presente que é a sua existência. Recobre a consciência e viva a voar, a semear, a gestar um mundo novo de novo, de novo e de novo... ...
continuar a ler


Comentários Comentários (2)

12/10/2015 - Dança de almas

Vamos dançar, mas não com os corpos. Com as almas. E para isso deixa o corpo quieto. Relaxe. Sente, deite, aquiete-se. Deixe sua alma à vontade. E permita que ela saia ao encontro de outras almas. Almas que bailam, valsam, boleram, sambam, riscam o céu com suas luzes ao ritmo de amores que estão além da vida, transitando entre tempos e planos. Dance e trance seus carmas. Arma-se de leveza, de delicadeza, de nobreza de sentimentos e rodopia aos sete ventos. Não se preocupe em encontrar ninguém, os destinos se encontram por si só. Metades sempre se procuram. E quando se dá o encontro das estrelas, elas dançam. Afinal, um céu estrelado nunca é igual ao outro.


Comentários Comentários (1)

01/10/2015 - De amor, cante

Encosta sua boca na minha para não deixar escapar uma só palavra do que precisa ser dito de bonito para nós dois. Palavras de amor não podem vagar sozinhas sob o risco de se rasgarem nas espinhas do depois. O tempo não espera. Nem todo dia é primavera. Só existe a bela porque existe a fera. Por isso, chega mais perto, florescendo meu deserto, causando reboliço, para escutar tudo o que eu tenho a soprar a sua alma em feitio de feitiço. Acalma sua pressa de ir e se permita a ouvir cada palavra que eclode como lava do meu peito em chama e explode em som num tom de quem ama acima da razão. Para que nada seja perdido, junta sua boca a minha e ouça a minha ladainha de sentimento que não pode cair no vento nem sumir ao relento. Toma tudo o que eu preciso dizer, com ou sem juízo, e não dá mais para adiar. Ouça, ouça cada sílaba, cada tônica, cada pausa que lhe destino como menino de correio elegante e se agigante de amor; De amor, cante.


Comentários Comentários (1)

24/08/2015 - Duas metades

Amo você independente de todas as coisas que insistem em nos separar. Amo você para além de todas as dores. Amo você num amor de marcas profundas que não quer e nem pode se calar, pois é a voz da alma. Amo você em todas as horas e de todos os jeitos. Amo você para além dessa vida. Amo você se aninhando em mim. Amo você superando lágrimas e angústias. Amo você querendo cuidar da sua estrada para todo sempre desejando que nossas caminhadas permaneçam cruzadas. Amo você mesmo de longe, pois no amor de verdade a distância não importa. Amo você fazendo da despedida a oportunidade de um novo encontro. Amo você desde que lhe vi pela primeira vez num amor intenso e propenso à eternidade. Amo você mesmo que você não queira. Amo você por dentro e por fora. Amo você como um dia, em tempos que já não existem, amaram as princesas – com nobreza. Amo você querendo lhe dar asas, abrigo e calor. Amo você sendo a continuação de seu braço, de sua perna, de sua boca e a completude do seu ser, como num quebra-cabeça complexo de muitas peças que se encaixam perfeitamente feito duas metades. E duas metades, independentemente de todas as coisas que insistem em separá-las, vão para sempre se buscar.


Comentários Comentários (1)

08/06/2015 - Dois anos amanhecendo

Hoje faço aniversário. São dois anos de vida nova no mais amplo e íntimo significado da palavra nova. Pode parecer pouco, mas foram dois anos de uma intensidade tamanha. Um tempo repleto de descobertas que vão além deste plano. Uma trajetória de fortalecimento e conhecimento interior. Dois anos de profundas mudanças. Sou outro. Mais feliz. Mais completo. Mais e mais realizado a cada dia. É com se eu tivesse passado por um novo amanhecer e amanhecesse mais e mais a cada dia. Há dois anos eu voltei para minha casa. Um reencontro transcendental. Ganhei novas mães e pais, mentores de luz. Minha existência foi preenchida, ganhou sentido e valor. Encontrei o meu lugar no mundo ou o mundo que há em mim encontrou seu lugar. Amanheci lua. Há dois anos me desenvolvo apreendendo e trabalhando na Lei do Auxílio. Descobri-me jaguar. Muito me foi revelado e ainda há tanto a ser buscado. A escalada evolutiva é constante, mas nesses dois anos meu eu foi aberto à compreensão. Tive a certeza de que não estou só e de que tenho muito a fazer. São tantos resgates a serem cumpridos, dívidas astrais a serem pagas, pensamentos e sentimento a serem elevados a partir da tolerância, da humildade e do amor incondicional. Tornei-me mestre sendo eterno aprendiz. Conquistei consagrações que me fazem ainda menor. Aqueles que me iluminam são grandiosos, eu sou apenas um instrumento de cura e caridade para o corpo, para a alma e para o espírito daqueles que me são confiados. Há dois anos passei a cultivar o meu sol interior e a compartilhá-lo com os que necessitam. Sou energia. Sou emanação. Saber que eu sou parte deste mundo extrafísico me emociona. Reencarnei para viver uma missão que vai muito além do que eu quero, sonho ou espero da vida. Como é gratificante saber que muitos, antes mesmo de eu acreditar em mim, investiram no que eu poderia me tornar. E eu me transformo a cada dia grato a todos aqueles que me impulsam à continuidade desse amanhecer pleno e dinâmico. Salve Deus! ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

06/06/2015 - De abrir o apetite

Lábios manchados de groselha. Boca adocicada. Pele avermelhada. Uma velha mania. Sair descalça pelo chão de poesia. Como se fosse a mais doce das mais doces criaturas. Fantasia de ninar. Loucura lhe abraçar. Doçura lhe por nos braços. Roupa branca. Ar de santa. Provoca insônia. Atenta como demônia. Anda pelo teto. Não tem veto. É tão doce lhe ter por perto. Olhos açucarados. Corpo de bom-bocado. Amor aos pedaços. De abrir o apetite. Convite à tentação. Desejo que cresce como pão.


Comentar Seja o primeiro a comentar

02/06/2015 - Deixa falar

Tira o cadeado da boca. Fala sem medo de errar ou de se condenar. Dê alforria à língua. Deixa falar. Deixa o sentimento vazar. Desata esses nós da garganta. Destrava os dentes. Chega de emudecer suas verdades. Basta de calar suas vontades. Deixa falar. O coração quer dizer. Fala, fala, fala de amor sem se arrepender. Não vai doer. Palavras não podem ser esquecidas antes de nascer. É direito de toda palavra ser dita, ser escrita, ser ouvida, ser tateada ao menos uma vez. Temos de palavrear. Deixa falar. Deixa cantar. Tira o cadeado da boca. Beija. Verse. Palavreie. Com palavras, presenteie. Sua alma precisa se expressar no a e i o u. Fique nu com suas palavras. Sorri por ser palavra. Crava suas letras em outros corpos ou as jogue ao vento. O importante é deixar fluir. Deixa falar.


Comentar Seja o primeiro a comentar

18/05/2015 - Devaneando

Um dia era a gente. Noutro dia, semente. Na semana seguinte, um pó. No mês passado ainda era nó. No ano que vem sentirá saudade do que no passado não queria. Na outra vida se esquecerá do que foi, se gente se pedra se vento se capim ou se boi. Só fará sentido se se lembrar com o passar do tempo que passar do amor que teve e assim manteve até então. No soprar das folhas, terá ido além da paixão. No somar dos dias, terá vencido a solidão. No virar da ampulheta, terá sido adeus, deus, capeta e tido a certeza de que só o amor compensa o coração da gente que é semente, pó, nó, saudade e tudo o mais o que um dia achou menos ou mais...


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   2  3  4  5  6   Seguinte   Ultima