Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 207 textos. Exibindo página 21 de 21.

Depois do apocalipse

Leões e lobos passeariam pelas principais avenidas da cidade como cidadãos comuns. Árvores romperiam à cerâmica e cresceriam dentro de nossas casas e ganhariam os ninhos das aves mais inusitadas. Sapos e jacarés infestariam as lagoas dos parques municipais. Monumentos, como o Cristo Redentor, seriam cobertos por alguma vegetação mais forte ou se esfarelariam como biscoitos nas mãos de uma criança. Os rostos dos presidentes dos Estados Unidos esculpidas em Rushmore seriam apagados. Caros leitores, não se assustem, afinal essas cenas não são do apocalipse. Elas são de depois do apocalipse....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Desculpas

Peço desculpas. Desculpas por lhe amar demais. Desculpas por esse sentimento extravasado. Juro que o tentei controlar, mas foi tudo em vão, a situação fugiu das minhas mãos. Desculpas por ter trocado a minha vida pela sua vida. Desculpas pelos tantos olhares divagantes que lhe lancei sem sequer perceber. Desculpas pelas vezes em que velei a sua imagem no silêncio da insônia noturna. Desculpas por achar que em algum momento eu tinha razão. Desculpas por fazer da nossa amizade algo que você não tinha conhecimento. Desculpas pelos lábios que em sonhos deslizavam em sua boca. Desculpas pelos sonhos, que foram tantos, mais que tantos. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Dezembro mogimiriano

Dezembro. Ando pelas ruas de Mogi-Mirim. O trânsito ainda me causa estranheza, mas, quiseram assim. A cidade se enfeita timidamente. Por enquanto, alguns papéis metálicos coloridos e dependurados em algumas ruas do centro ditam a decoração (que está mais para fevereiro, ou seja, carnaval). Dizem que a aparência de uma pessoa reflete o seu "eu" interior. Talvez a decoração "apagada" da cidade seja o reflexo da sua administração.

E não é só a cidade (espaço físico), os mogimirianos (por hora, não vou falar em Brasil para não aumentar o drama) também estão desanimados. Ando e não vejo enfeites natalinos nas casas. E os que existem são tão tímidos quanto aos que são espalhados pela cidade. As vitrines das lojas passam despercebidas aos olhos que desejam a beleza de outros natais. Pelo ritmo atual, o clima deste natal promete deixar a desejar se comparado com o visto durante a última eleição. E olha que por aqui a campanha eleitoral foi quase nada....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Diário de um super-homem às avessas

Sei horas da manhã. Não há galos que cantam, relógios que despertam... Só há um corpo que se levanta forçado pelo hábito. Lá esta ele, olhando os cantos da casa. Cada bibelô, cada grão de poeira, cada metro de chão ou de parede. Esfrega a mão na cabeça do filho pequeno entregue ao sono, por entre os cabelos, como quem faz uma prece. Uma prece para ninguém escutar. Toma um gole amargo de café. Apanha uma sacola, a mesma de todos os dias. Passa em frente da imagem de uma santa, benze-se. Olha para os olhos fundos da mulher, por alguns segundos estáticos. Olhos que se dão como duas estátuas. Um beijo leve. Um beije breve. Um beijo e mais nada. Faz tudo sempre igual. Abre a porta, o rangido de costume, com a mesma testa franzida, nervosa. Faz tudo como se fosse pela última vez. Ela diz para ele se cuidar. Ele engole seco e sem coragem de olhar para trás, sufoca o adeus....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Dois dedos de prosa

Fim de tarde. Fim de inverno. Fim de campanha eleitoral. Toca o telefone. Do outro lado, uma voz frágil e, ao mesmo tempo, forte:

- Daniel?!

- Sou eu...

- Não reconhece mais a voz do irmão do Henfil?

- Não acredito... Betinho! É você? Quanto tempo!

- Pois é, quanto tempo!

- Hummm deixe-me adivinhar. Você me ligou para dizer, em primeira mão, que graças a sua intervenção aí em cima, o todo-poderoso vai fazer um milagre e acabar com a fome....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Domingo de champanhe

Hoje é domingo, mas e daí? Ontem foi sábado e amanhã será segunda, depois virá a terça, a quarta... Domingo, nada mais do que um dia qualquer. Porém um pouco mais triste, mas nada que o afaste do comum. Triste? Comum? Ninguém (ou quase ninguém) trabalha, as camas são arrumadas mais tardes, dia de bares lotados, dia de clubes, praias, campos, dia de churrascos, espaguetes, feijoadas,..., dia de lembranças.

Bons tempos aqueles em que acordávamos no amanhecer dos domingos e tomávamos café em frente à televisão. Domingos de Interlagos, de Mônacos, de Silvertones... Tempos de hino nacional, de emoções, de torcida, de Galvão Bueno, de Ayrton, Ayrton, Ayrton Senna do Brasil!!! ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Dúvidas de um cidadão

Por mais que se fale em termoelétrica, sinto que ando desinformado. Não sei se as informações são poucas, superficiais, desencontradas ou se eu estou querendo saber além do que querem contar. Talvez seja porque eu esqueci a guerra e assim, certos assuntos não conseguem passar por mim de forma despercebida. Termoelétrica?!?!

Era uma vez uma crise energética. Era uma vez. Logo logo o governo vai dá-la por encerrada e usá-la na campanha presidencial do próximo ano. "O governo que acabou com o apagão", um belo slogan, senão pelo fato de ser o mesmo governo que criou, ou melhor, deixou criar o apagão. Gostaria de esclarecer que eu não venero nenhum partido político, isto é, voto no caráter, no humano, nos projetos e não numa sigla. Dito isso, vamos em frente....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   17  18  19  20  21