Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 167 textos. Exibindo página 3 de 17.

05/06/2015 - O choro de São José

Cruza pelo sertão de deus do céu
Uma procissão sem vela nem véu
De pé, de jegue, de pau-de-arara
Uma gente de fé que não se para
Que segue adiante no rompante
Da esperança de dias melhores
Ore por essa gente destemida
Que segue sem salário nem teto
Mas de peito totalmente aberto
À vida, à vida, à vida. A vida
Há de brotar e vingar noutro lugar
Brotar como rama de macaxeira
Vingar como folha de mandacaru
Hoje o coração sem eira nem beira ...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

O cisne e duas crianças

Hoje eu queria um cisne, um cisne imenso e branco,
Um cisne como aqueles que povoam lagoas do interior
E como um gondoleiro do amor, veneziano por natureza,
Levar-lhe-ia pelos canais da cidade chuvosa
Que nos acordou pela manhã

Nós dois pedalando e se beijando e se molhando
E se amando e se dando no grande cisne branco
De olhos azuis e bico alaranjado
Querendo descobrir outros mundos
Aventurar-nos-íamos pela metrópole d´água...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

O debute

Quem é ela que murmura ao vento
E se veste de recordações
Enquanto oculta as desilusões
Que nasceram de um sentimento.

Sentimento combatido com ardor
Na lâmina de palavras que são lanças
Empunhadas em face da esperança
De desnudarmos dias sem dor.

Quem é ela que vive como amante
De si mesma e de outros eus
Ela é julieta e eu sou romeu

Quem é ela que me faz errante
Neste caminho de destempero
Ela é a paz e eu o desespero.


Comentar Seja o primeiro a comentar

O destino das estrelas

Olha,
As estrelas ainda no céu
Cada qual tem uma cor
E um destino mais cruel.

Olha,
Como elas brilham
Cada uma no seu passo
Sozinhas no espaço.

Olha,
Como as estrelas provocam
E tantos sonhos invocam
Mas não podem se tocar.

Olha,
Como elas dão duro
Brilham demais
E no mais, morrem no escuro.


Comentar Seja o primeiro a comentar

O destino do mundo

Antes que me perguntem
Os inquisidores,
Antes que relutem
Os pagãos,
Confesso que faria tudo
De tudo
E de um tudo
Pela mulher amada.

Mudaria o caminho do mundo
Desafiaria o destino
Convenceria o dia
A amanhecer um pouco depois
Só para ficar mais tempo com ela
Nos lençóis negros da noite
Que nos invade.

Eu faria a primavera chegar mais cedo
Acreditaria no que quer que fosse
Escreveria um livro por dia...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

27/08/2013 - O dia

Quando o dia chegar
Não qualquer dia, mas o dia
Esperado, sonhado, batalhado
Você vai saber
Não porque há sol ou galo cantando
Mas porque haverá uma mensagem
Inconsciente no seu consciente
Dizendo que é hora
De acontecer, de ser, de fazer
Não haverá impedimentos
Em maior ou menor escala
Tudo será diferente de modo a levar
Sonhos, corpos, projetos e tudo mais
À frente, pra frente, em frente
Todos os elos de todas as correntes...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/03/2014 - O dia da minha mulher

O dia da minha mulher não é hoje
E ao mesmo instante o é
Isso porque seu dia não é definido por data
Mas por sentimento
Então, o dia da minha mulher é agora
O dia da minha mulher
É quando e onde e como
É quando ela amanhece
É onde ela está
É como ela quer que seja
O dia da minha mulher é infinito
Pois não começa nem termina
Assim como ela, que é contínua
Pobre das mulheres que precisam de um dia
A minha, é maior que o tempo...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

23/04/2015 - O dia da volta

Meu doce e infinito amor,
Amanheci pleno de saudade,
Olhei no espelho e vi você
Fazendo das suas caretas
Meus olhos eram teus olhos
Minha boca, a tua boca
Minhas mãos as tuas mãos

Eu não era mais eu
Eu não era mais meu

Perdi a conta de quantos poemas
Eu coloquei no papel
Dizendo que amo, quero, desejo
Ainda bem que amanhã já é dia
Dia de tê-la perto e mais perto
Bendito seja o dia da tua volta...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/12/2015 - Ó dona de mim

Ó dona
No seu balanço
Não me canso
De balançar

Ó dona
No seu dengo
Acabo sendo
De apaixonar

Ó dona
No seu cheiro
Ergo fogareiro
Faço incendiar

Ó dona
Da minha sina
Cruza a esquina
Do meu coração

Ó dona
Nessa cabeça
Faz sentença
Bota-me ilusão


Comentar Seja o primeiro a comentar

O encontro

A noite fria
Fiava
Uma fina garoa
Que aos poucos
Umedecia a esperança,
A esperança de ela vir
Ao meu encontro.
A rua deserta
Em seu ventre vazio
Dá à luz seguidas vezes
Ao mesmo silêncio,
Para cada novo silêncio
Um novo desespero,
A hora marcada
Já ficara para trás
E a luz da esperança
Já se perdia nas trevas
Nas trevas de mim
Nas trevas da rua
Nas trevas da noite
Que passava sem fim....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima