Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 142 textos. Exibindo página 5 de 15.

05/02/2015 - Embocadas

Pelo amor dos que nunca amaram
Deixem-me amar em paz
Sem intromissões e senões
Deixe-me amar como sonharam
Ser um dia casais
Felizes de mãos, pernas, bocas
Dadas pelas estradas
Embocadas
Nas ciladas das loucas
Solidões que nos separam
E nos juntam no mesmo lugar


Comentar Seja o primeiro a comentar

06/02/2014 - Emocionador

Esse sentimento que escapa pelos meus poros
Que coloca meus dedos para escrever
Que me faz tremer e acende meus olhos
É o que sou
Eu nasci para emocionar
Sou um emocionador, por natureza,
E não há como negar a minha sina
Tenho olhos de cartolina
Desenhados de emoção
Eu rio, eu choro, eu vibro amor
E não tem como ser diferente
Eu sou feito de apaixonamento
Tatuado por dentro
De sentimento
De sentimento...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/08/2013 - Encaixes

Vira
Tira
Viça
Enfeitiça
Suspira
Delira
Inspira
Atiça
Compõe
Supõe
Gira
Assovia
Fantasia
Dispõe
Encanta
Agiganta
Mia
Trilha
Ilha
Suplanta
Suspira
Pira
Humilha
Tece
Esquece
Desvira.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Enchente

O rio transbordou
O mar chegou
O lago virou
Tudo graças
Ao novo mês
De gravidez
De uma luz
Que para desgraça
Do dias seus
Se apaixonou
Por um deus
Que só sai à rua
Com sentimentos ateus.

Deu maré cheia
Deu arrebentação
Enxurrada carregou sereia
Peixe virou plantação
Quando a lua sozinha
Feito a última rainha
Cumpriu seu papel
E entre contrações
Relâmpagos e trovões...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

29/11/2013 - Encontro em 3 atos

Imagine a seguinte situação: você está sentada(o) na plateia de um teatro. Escolha o seu lugar, onde fique mais à vontade. De repente, as cortinas se abrem. Há vários homens vestindo roupas pretas, caminhando olhando para o chão. Como cenário, três árvores secas, um banco de madeira, um prédio ao fundo cheio de janelas e um piano de cauda com um pianista que toca uma música enfadonha. Então, entra no palco o Sentimenteiro, que é um homem que vive pura e simplesmente de sentimentos. Vem vestido todo de branco e com pés descalços. Traz amarrado em suas costas, dezenas de balões vermelhos em forma de coração. A música muda, fica angustiante. Ele caminha olhando para o céu, em busca de uma estrela. Porém, há muitas nuvens de chuva. Nuvens pesadas. Há diversos raios cortando as nuvens. Então, um raio ilumina de vez o palco e um trovão ensurdece tudo. Começa a chover (a chuva é de papel picado). A música fica eletrizante. Ao contrário dos outros homens, o Sentimenteiro não corre da chuva, tanto que ele fica sozinho no palco. Continua olhando para o alto e correndo para lá e para cá. De repente, ele para. A música para. Os raios param. Tudo fica escura. E uma luz busca a janela do prédio, onde está a estrela que o Sentimenteiro tanto procurava. A Estrela, que é uma mulher, dança naquela janela, como não se importando com mais nada. O pianista volta a tocar, só que agora uma música de fundo romântico. As luzes iluminam também o Sentimenteiro, que já está com os balões em sua mão, como se fosse um buquê de corações. A Estrela segue dançando, como que em outro mundo, vivendo o seu universo particular. Ela está vestida com tecidos leves, esvoaçantes, e uma pintura que brilha cobrindo seus braços, seu rosto... Com olhos de contemplação, completamente apaixonado, o Sentimenteiro abre a boca e começa a libertar seus sentimentos na forma de palavras, mais precisamente, de versos. Para representar os sentimentos subindo à Estrela, o Sentimenteiro vai soltando um balão de cada vez. De forma emocionada, ele escancara seu coração à Estrela:...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

30/11/2013 - Encontro em três atos (2)

A estrela depois de escutar aquele desabafo apaixonado, completamente inesperado para uma tarde deveras chuvosa, aproxima-se ainda mais da janela de modo que suas pontas chegam a ficar respingadas pela chuva e, ela começa a piscar, numa reação de medo, de emoção ou de curto-circuito em razão do contato com a água. E, do alto daquela janela, observa o sentimenteiro de braços abertos, completamente molhado, esperando por suas palavras e, até mesmo, por um salto em sua direção.

Eu venho de longe, de um reino distante...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

01/12/2013 - Encontro em três atos (3)

As cortinas se abrem. Música de funeral. A luz foca no Sentimenteiro, que está deitado. A fala da Estrela foi tão doída que o matou. Morreu de amor não correspondido. De tristeza, as estrelas que estavam penduradas, caem todas, como se o céu perdesse o brilho.Então, a Estrela, iluminada por um naco de luz, dá um grito não entendível aos ouvidos humanos. Então, ela se ilumina por completo e se joga da janela, e fica pendurada por um cabo. Dali, ela joga brilho sobre o Sentimenteiro, como dando sua vida para ele. Uma luz brilha dela para ele. E ele desperta. A música muda, ganhando um ritmo delicado. Começa então, um dueto poético marcado por certezas incertas e pela continuidade da espera, enquanto a Estrela desce até ele num ritmo bastante lento:...
continuar a ler


Comentários Comentários (2)

Encontros

Foram tantos encontros
Nenhum deles marcado
Nem de maneira prévia nem de última hora
Encontros casuais
Encontros inconscientes e conseqüentes
Do ato de se encontrar.
Por quantas vezes lhe encontrei
Mas só depois fui saber do desejo
E do significado de lhe encontrar
Só depois de uma certa convivência com os encontros.
E não desconfiei que a cada encontro eu lhe trazia
Eu lhe trazia um pouco
E aos poucos esse pouco ganhou proporções disformes...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Encruzilhada

Imagino a roupa que veste
O ambiente que se encontra
Os pensamentos alados
A sua fala interminável
O seu jeito de mexer no cabelo
O seu colorido
E, num canto em silêncio,
O seu ritmo.

Mas não sei nada
Só imagino
E mesmo longe
E mesmo afastado
E mesmo "esquecido"
Desejar-lhe-ei
O que me desejo:
Nós.


Comentar Seja o primeiro a comentar

11/05/2016 - Enfático sim

Dramático?
Não.
Sou enfático
No amor que sinto
Se minto?
Se exagero?
Quero apenas
O que sinto
Saiba
Que é uma pena
Que no recinto
Não caiba
Um poema.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   3  4  5  6  7   Seguinte   Ultima