Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 200 textos. Exibindo página 2 de 20.

19/04/2010 - Magia bailarina

Como é mágica a bailarina que ao se equilibrar na ponta dos pés se afasta do núcleo da Terra, fragilizando a força gravitacional que prende homens e mulheres. Com as mãos arqueadas ao céu e o corpo em ponta, a bailarina volteia deixando tonta a platéia ao seu redor. Mais do que dançar, a bailarina apronta com aquela roupa única. De longe os meninos a apontam dizendo: olha lá, olha lá a bailarina. Sim, ela é inconfundível e incorruptível. Afinal, ela pode até dançar outros ritmos, mas todos eles nascem de seu balé. ...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

28/07/2009 - Magyarország

Havia uma mola de 12cm e 800 gramas no meio do caminho de Felipe Massa, que caminhava ligeiro, a 280 quilômetros por hora, pelas planícies húngaras. A mola, ao contrário da pedra de Drummond, não estava parada, estática, tampouco petrificada no meio do caminho. Ela voava como um pássaro metalizado. O problema é que voava na direção contrária do piloto. O encontro, no script da fatalidade, era inevitável. Das pistas para um hospital militar na Hungria. Do circuito de Hungaroring para Budapeste. Do nervoso motor italiano para os potentes aparelhos da UTI....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/05/2012 - Maio e o déficit de suspiros

Falta romantismo nos ares de maio. O maio das noivas e das juras de amor eterno não existe mais. As noivas foram extintas. O ato de noivar perdeu o significado com o vai e vem das relações amorosas. Se um casamento clássico já anda démodé, os noivados ficaram no passado. De uma hora para outra, sem muita cerimônia, os apaixonados se casam e descasam. Ao contrário de festas caríssimas, a paixão é exposta nas redes sociais. Os noivados só resistem nas páginas dos álbuns fotográficos e dos folhetins. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

11/06/2014 - Mais alguém?

Será que alguém ainda acredita em contos de fada como eu? Será que alguém ainda espera por um final feliz como eu? Será que alguém conhece uma princesa e devota sua vida a ela como eu? Será que alguém aposta todas suas fichas na fantasia como eu? Será que alguém que sonha tão acordado como eu? Será que alguém é capaz de tudo por amor como eu? Será que alguém se sente tão importante e ao mesmo tempo tão desimportante como eu? Será que alguém se vira pelo avesso como eu? Será que alguém se alimenta de expectativas como eu? Será que alguém ainda chora em pulsos como eu? Será que alguém espera mais e mais como eu? Será que alguém acredita que o era uma vez se faz aqui como eu? Será que alguém quer tanto alguém como eu? Será que alguém vai me salvar ou todo esse romantismo será extinto comigo?


Comentar Seja o primeiro a comentar

23/10/2012 - Mais conselhos

Quando lhe faltar razões para levantar da cama, adormeça e sonhe. Sonhe com dias e noites melhores. Quem sabe o seu faz de conta não se transforma em realidade. Coloque não só a cabeça, mas também os pés nas nuvens. Crie asas. Rompa com o tempo. Invente outro continente. Redimensione cada um de seus desejos. Troque o certo pelo duvidoso ao menos uma vez por dia. Inverta a ordem das coisas. Corra atrás de suas alucinações. Desfolhe livros e espalhe versos pelas ruas. Supere a barreira dos medos e infle o coração. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

10/06/2014 - Mais de mim

Chego ao dia de hoje sem o direito de pedir nada. Tudo o que tenho é o que mereço. Sou merecedor de tudo o que passo. E agradeço o que céu e terra me dão. Não reclamo de nada. Agradeço. É claro que queria que muitas coisas fossem diferentes, mas só posso mudar a direção da minha vida. E com todas as loucuras e dores que isso venha a causar, eu faço a minha parte. Por isso, chego ao dia de hoje sem arrependimentos do que fiz e do que não fiz. Chego ao dia de hoje com a certeza de que busco o que acredito. Não me arrependo de nenhuma das vezes que apostei alto, e às cegas, na minha felicidade. Afinal, eu sou esse sonhador-apaixonado que faz do coração sua estrela-guia. Não fiquem tristes ou lamentem por mim, pois eu me considero feliz simplesmente pelo fato de não ter medo de amar. E, além do mais, quem vive sua paixão por inteiro tem tudo. Portanto, não há do que reclamar nem o que pedir no dia de hoje. Tudo o que eu podia fazer (e até o que não podia) eu fiz para tentar conquistar o mundo que eu queria para mim. Deu e/ou deram o que acharam que me cabia. E eu recebo de bom grado. Afinal, nada acaba aqui. Pelo contrário, há continuação nisso tudo. Tanto que na minha boca sempre se sobressai o sabor do começo. Meus dias são sempre começos de mim mesmo. Agradeço pelos sentimentos que levo, pelos que dôo, pelos que recebo. Agradeço, sobretudo, por eu poder ser feito de sentimento. Sou grato por eu ter a sensibilidade de poder chorar. Sou grato pela falta de pudor que me faz dizer (escrever) o que tenho vontade, de modo que mais tarde não precisarei me remoer por não ter dito isso ou aquilo. Por essas e outras, chego ao dia de hoje com a certeza de que eu luto pelo que acredito e faço de tudo para transformar o triste em algo bonito. Se sou diferente, se sou anormal, se sou antiquado ou futurista, se sou maluco, não importa, eu sou eu como tenho de ser. Podem me criticar e, me taxar e me atacar, mas eu não coloco nada na frente do amor que sinto. E assim caminho desde que me conheço. E sofrimento algum é maior do que a certeza de que honro o amor que vivo, defendendo-o com minha própria vida. Sou assim, gostem ou não de mim como já escrevi em um outro poema. Sou feito de sonhos. Sou feito de esperas. Sou feito de romantismo. Se for para continuar sem ser amor (sem ser esse ser-amor) eu prefiro parar por aqui. Se for para deixar de amar loucamente, bravamente e apaixonadamente que me enterrem e esperem nascer um pé de poesia. Pois, de uma forma ou de outra, estarei me transformando em amor. Essa é a minha sina. É a estrada que eu percorro com pés, nadadeiras, asas, raízes... Chego ao dia de hoje metade ontem metade amanhã. Chego ao dia de hoje desejoso de mais do melhor que trago comigo e que me compõe, decompõe e recompõe – o amor puro. Chego ao dia de hoje agradecendo pelos que iluminam minha jornada. Chego ao dia de hoje saudando as forças que me levam adiante. Chego ao dia de hoje com a cabeça erguida e os olhos lançados ao horizonte como flechas tão guerreiras quão apaixonadas. Chego ao dia de hoje sem o direito de pedir nada, pois eu tenho tudo o que eu sou; e o que eu não tenho é pra onde vou.


Comentar Seja o primeiro a comentar

16/08/2014 - Mais de trinta

Acordei, olhei no espelho e me assustei: eu tenho mais de trinta anos. Eu tenho trinta milhões de sonhos pra ser realizados. Eu tenho muito a fazer neste plano. Eu tenho mais passado do que futuro. Eu tenho mais de trinta anos e ainda não aprendi a ser humano. Coleciono enganos, desenganos, entradas pelo cano. Eu tenho inocência de beijos e abraços. Eu tenho impaciência e carência de um outro tempo. Eu tenho tantos laços para ser amarrados, apertados ou desatados. Eu tenho mais de trinta anos e ainda tenho a inocência de que vou ser amado como amo. Eu tenho mais de trinta anos e ainda não me conheço por inteiro ao ponto de me pegar me chamando de fulano. Eu tenho mais de mil possibilidades e incuráveis saudades. Eu já não tenho mais desculpa. Eu tenho muito que fazer, falando sério tenho mesmo que correr, afinal eu preciso, sim eu preciso acontecer. Eu tenho mais de trinta anos carregando o piano do meu destino. Não sou mais um menino e ainda sou, e tudo sou... Já passei da época de ganhar brinquedo, de colecionar segredo, de ter medo... Eu tenho mais de trinta anos e ainda me encano com contos da carochinha. Às vezes ainda acho que a minha vida não é minha. O tempo passa e a morte existe e nem disfarça. Eu tenho mais de trinta anos e esse meu sangue cigano não me aquieta. Eu ainda acordo poeta. Eu ainda me faço sentimento. Eu ainda esculacho o cotidiano de gente grande. Eu tenho mais de trinta anos e ainda não pilotei um aeroplano, não virei vegetariano e não me acostumei em ser urbano. Eu tenho tanto ainda a conhecer que às vezes me dá vontade arrumar as malas e ir embora de mim. Em quantos casulos ainda terei que entrar para conseguir voar para onde eu quero. Eu tenho mais de trinta anos e ainda espero. Não danço valsa, arrasta-pé ou bolero. Já passei dos trinta e nem coloquei fogo como Nero. Eu já tenho mais de trinta anos e meu coração não tem nada de veterano. Eu nem sei o quanto o sal das lágrimas já marcou minha pele. Eu tenho mais de trinta anos e pressa em ter menos frustrações, expectativas quebradas e fantasias não realizadas na minha bagagem. Eu não espero envelhecer para ser somente parte da paisagem. Minha arte não tem idade. Eu tenho mais de trinta anos e ainda não fiquei nu na tempestade. Encontrei minha metade que preferiu completar outra realidade. Já tenho cabelos brancos e já não acredito mais em santos. Meus heróis já se foram. Eu tenho mais de trinta anos. Não tolero os draconianos nem me encaixo freudiano. Eu sou o mesmo Viniciano de Moraes, que anda amando, amando, amando demais. Acordei, olhei no espelho e me assustei: eu tenho mais de trinta anos.


Comentar Seja o primeiro a comentar

11/01/2013 - Mais do amor

O amor há de ser uma estrela de romã, com sementes da sorte a cada manhã. O amor há de ser um coração de organdi, vestido de gala para todas as ocasiões. O amor há de ser o sobrenatural que atrai o pescador à sereia, entre mistérios e encantos. O amor há de ser uma tarde de lua, uma noite de sol. O amor há de ser uma arrumação diária de sentimentos. O amor há de ser o bis, o quero mais, o desejo de viver tudo outra vez. O amor há de ser o que acontece para além de qualquer suspeita. O amor há de ser a imaginação com nuances de realidade. O amor há de ser uma manifestação intensa e constante de sentidos. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

12/11/2013 - Mais do mesmo amor

O amor tem pressa, mas sabe esperar pelo tempo de amar livremente e amar, somente, amar. O amor quer ficar junto mesmo quando junto e não teme qualquer distância ou distanciamento. O amor sabe o que quer e planeja, por mais que ninguém veja, seus encontros e reencontros. O amor fala a língua dos que amam, e amam demais, no silêncio dos olhares escritos e benditos em palavras.

O amor fica suspenso no ar, orbitando com estrelas e astros, na ilusão de que ninguém o poderá alcançar. O amor é urgente, polivalente e persistente para conseguir chegar aos corações mais íngremes e restritos. O amor nunca se cansa do ato de amar que se repete sem se repetir nos palcos à flor da pele, sempre estreando, sempre inédito, sempre aplaudido mesmo quando não compreendido.


Comentar Seja o primeiro a comentar

30/06/2015 - Mais do ser só

O cupido parece ter indeferido meu pedido. O curió canta, canta, canta a tristeza de ser só. Nuvem sozinha não faz tempestade tal e qual um único galo não faz rinha. Uma corda não configura um violão. Quem disse que a primavera é casada com o verão? O que as ondas do mar vêm buscar? O astronauta, na carência do espaço, tenta trazer estrelas no laço. Sem musa não há poeta. São precisos dois corações para fazer-se um amor completo.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima