Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 62 textos. Exibindo página 3 de 7.

Que braços os teus

Que braços, que braços os teus braços
Apertando-me
Calando-me
Contando-me
Sobre teus passos, teus embaraços
Teus percalços

Que braços, que braços os teus braços
Acalanta-me
Levanta-me
Encanta-me
Com teus abraços, teus laços
É meu bálsamo

Que braços, que braços os teus braços
Envolvendo-me
Absorvendo-me
Absolvendo-me
Em teus compassos, teus traços
De Picasso
...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Que dia é hoje?

Eu pensei que fosse domingo
E que você acordasse mais tarde
E saísse às ruas
Vestida de sono e outras bobagens
Tão naturais tão normais tão banais
Aos domingos.

Entre uma lembrança e outra
Reviraria as ruas desertas
A procura de um vulto
As portas das lojas fechadas
Os jornais se oferecendo nas bancas
As conversas sentadas num banco de jardim
E um trânsito que lhe possibilitaria
Andar pela rua
Em volteios...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Que falta me faz

Que falta me faz aquele seu sono contemplativo.
Que falta me faz seus telefonemas em série.
Que falta me faz aquele seu abraço que era mais laço do que abraço.
Que falta me faz caminhar sob e sobre seus olhares.
Que falta me faz suas chegadas repentinas e tão esperadas por mim.
Que falta me faz saber você.
Que falta me faz ter minha agenda veiculada a sua.
Que falta me faz sua ternura, misto de candura e tontura.
Que falta me faz suas brincadeiras tão sérias....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Que horas são?

As vitrines
Mais uma vez
Me perguntaram
Dos seus olhos
E eu não soube
Disfarçar
As coisas do coração.

Eram anéis
Eram sapatos
Eram perfumes
Cada qual,
Em sua proporção
Unindo metades
Colando saudades
Perdidas de você.

As vitrines
Cercavam-me
E me traziam
E me pediam
A sua presença
E eu
Essa ilha
Cercada pela sua solidão
Não sabia...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Que não se saiba

Serás que me espera?
E se não te encontrar?
Será que devo?
Será diferente?
Será tua voz ou uma nota qualquer?
Será que vai sorrir ou desconversar?
Será que continua?
Será a mesma que deixei sem deixar
De querer, de poder, de gostar...ou
Será, de fato, outro artefato banal
Que surgiu distante do carnaval.


Comentar Seja o primeiro a comentar

10/10/2013 - Que o amor

Que o amor exista
Insista
E resista
Que o amor acredite
Excite
Palpite
Que o amor avance
Dance
Trance
Que o amor crie
Guie
Avie

Que o amor denuncie
Que o amor alcance
Que o amor grite
Que o amor vista
E se desvista
E anuncie
E não se canse
Do amor que existe.


Comentar Seja o primeiro a comentar

29/07/2015 - Que são

Penas
Que são asas
Cenas
Que são duetos
Renas
Que são estrelas
Poemas
Que são de carne
Antenas
Que são pernas
Cantilenas
Que são aquelas
Obscenas
Que são vontades
Centenas
Que são milhões
Pequenas
Que são gigantes
Ipanemas
Que são copacabanas


Comentar Seja o primeiro a comentar

03/11/2015 - Que se vai

É pra frente que se vai
Balança mas não cai
Entra logo ou sai
Deixa de indecisão
Sai do comodismo
Deixa de dizer não
E desse pessimismo
Sai da beira do abismo
A vida está aberta
E o jogo tem dois tempos
A vitória é certa
Quando há sentimento
Então mira o futuro
E sai de cima do muro
Abraça o seu destino
Mergulha no caminho
E vai, vai, vai
É pra frente que se vai
Não cai, não cai...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

27/09/2014 - Que será feito?

E o que será feito
Do que foi refeito
Quanto de defeito
Há no desrespeito
Com os feitos
Que pulam sem jeito
Dos parapeitos
Não sendo eleitos
Do amor perfeito
O que será feito
O que será feito
Do ser rarefeito
Do antiperfeito
Que bate no peito
...


Comentar Seja o primeiro a comentar

23/01/2014 - Que venha

Que numa onda
Quebrada de espuma
Que numa sonda espacial
Ou numa escuna
Que o mar, que o céu
Lhe traga de volta
Lhe traga de volta
Eu ainda escuto teus passos
Ouço tuas notas
Eu lhe espero
E lhe quero
A cada abrir de porta
Que possa emergir
Das nossas areias
Do tempo e das praias
Pelas minha veias
Pelo meu sangue verde jandaia
Que possa sorrir e ferir
Pelo amor das trevas ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima