Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 97 textos. Exibindo página 3 de 10.

22/03/2015 - Quero o tempo de ter tempo

Quero o tempo de ter tempo para observar para que lado o vento sopra. Quero o tempo de ter tempo para acompanhar a flor virando fruto. Quero o tempo de ter tempo para esperar a fruta madurar e não precisar comê-la de vez. Quero o tempo de ter tempo para desvendar os mistérios da lua que do alto de seu altar nos diz tanto. Quero o tempo de ter tempo o intuito de colher os sinais do tempo para saber se vai chover ou se vai estiar. Quero o tempo de ter tempo para aprender com a chuva que cai sem pedir nada em troca. Quero o tempo de ter tempo para saber qual hora do dia o rio dá peixe. Quero o tempo de ter tempo para pensar em quem amo, unindo ação ao sentimento. Quero o tempo de ter tempo para colocar no papel tudo o que meu coração me dita, linha por linha, verso a verso. Quero o tempo de ter tempo de apurar o doce alcançando o ponto ideal. Quero o tempo de ter tempo para provar novos sabores, para cheirar novos perfumes, para olhar novas cores, para ouvir nossos sons... que estão por aí e passam despercebidos em minha correria. Quero o tempo de ter tempo para engolir cada despedida, aceitar e aprender com cada adeus. Quero o tempo de ter tempo para me encantar, pois preciso viver encantado, caso contrário tendo a murchar. Quero o tempo de ter tempo para navegar com fé numa total entrega em águas profundas, sejam elas passadas ou vindouras. Quero o tempo de ter tempo de alimentar meus sonhos, muitos necessitando de receberem o seu comer na boca. Quero o tempo de ter tempo de viver cada dia de uma vez, intensamente, sem me preocupar com as promessas do futuro ou com as dívidas do passado. Quero o tempo de ter tempo para não ser injusto com nada ou ninguém que pede um pouco ou muito de mim. Quero o tempo de ter tempo para não só falar, mas fazer valer cada eu te amo declarado por minha língua, por meus olhos ou por minhas mãos. Quero o tempo de ter tempo para gestações completas de belos e verdadeiros amores. Quero o tempo de ter tempo para me dedicar aos livros e aos discos que me esperam. Quero o tempo de ter tempo para fazer da vida um tremendo e merecido espetáculo. Quero o tempo de ter tempo para realizar cada palavra dita ou escrita por mim. Quero o tempo de ter tempo para aprender tudo o que eu preciso para não carregar arrependimento algum, seja aprender a dançar, a tocar piano, a fazer uma nova receita, para saltar de asa delta, para conhecer outros mares... Quero o tempo de ter tempo para agradecer tudo o que até então conquistei e também o que não obtive, entendendo as razões desses não acontecimentos. Quero o tempo de ter tempo para ser melhor do que sou hoje e oferecer essas melhorias ao tempo que me esculpe como estátua viva que sou.


Comentar Seja o primeiro a comentar

29/01/2015 - Quantas vidas?

Quantas vidas eu vou precisar para lhe esquecer? Quantas vidas vão ser precisar para apagar todas essas marcas? Quantas vidas ainda vão se levantar contra tudo o que sonho? Quantas vidas se enfileirarão em minha frente e cairão uma a uma feito peças de dominó? Quantas vidas ainda vão ser necessárias para me dizer que eu sou só? Quantas vidas vão desaparecer sem que eu consiga vive-las por completo? Quantas vidas eu chamarei de saudade? Quantas vidas de expectativas serão mais cedo ou mais tarde trocadas por menos do que esperei? Quantas vidas hão de ser postas à prova sem que eu possa fraquejar? Quantas vidas serão escritas para mim romanceadas platonicamente? Quantas vidas eu terei de morrer para viver de verdade?


Comentar Seja o primeiro a comentar

25/01/2015 - Quando se amam

Quando se amam, as onças pintadas misturam suas pintas. Quando se amam, as zebras fundem suas listras. Quando se amam, os jequitibás mesclam seus verdes. Quando se amam, os peixes enroscam suas escamas. Quando se amam, os grilos entram no mesmo tom. Quando se amam, as aranhas têm 16 pernas. Quando se amam, os escorpiões se envenenam sem saber. Quando se amam, as pedras mudam do lugar. Quando se amam, os ventos se dão em pés de vento. Quando se amam, as estrelas piscam. Quando se amam, as joaninhas vibram. Quando se amam, as cegonhas atrasam a entrega dos bebes. Quando se amam, os relógios se acertam. Quando se amam, os camelos são côncavos e convexos em suas corcovas. Quando se amam, os rios se turvam. Quando se amam, os barcos viram. Quando se amam, os profetas se enganam. Quando se amam, os duendes existem. Quando se amam, os rouxinóis se dão ao direito de desafinar. Quando se amam, as amoreiras se mancham. Quando se amam, as cobras se engolem. Quando se amam, os tatus se entocam. Quando se amam, as nuvens se desmancham. Quando se amam, os vagalumes entram em curto.


Comentar Seja o primeiro a comentar

23/01/2015 - Quantas de quantos

Quantas estradas existem sobre seus pés? Quantas muralhas você desistiu de vencer? Quantos caminhos você mudou? Quantas vezes você se arrependeu de não seguir seu coração? Quantas promessas você não cumpriu a si mesmo? Quantos amores você deixou escapulir por medo? Quantas saudades você não consegue disfarçar? Quanto do que já foi dado como perdido ainda segue contigo? Quantas vezes você pensou fazer diferente e deixou pra lá? Quantos destinos diferentes deram no mesmo lugar? Quantas possibilidades se tornaram impossíveis sem maiores explicações? Quantos ciclos você não fechou? Quantas palavras você aboliu? Quantas vezes você olhou no espelho e mentiu? Quantas vidas você desperdiçou? Quantos nós serão nós para sempre? Quantos ecos do passado são mais fortes do que a sua voz? Quantos desentendimentos ainda não se entenderam dentro de você? Quanto de você ficou de lado?


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/01/2015 - Quando em meus braços

Quando em meus braços, faço-me porto completo, ancoradouro dos seus sonhos que estendem suas velas coloridas como veleiros aos meus olhos. Quando em meus braços, sou céu aberto à disposição de suas estrelas e pássaros. Quando em meus braços, esqueço-me de mim e passo a vivê-la por inteira. Quando em meus braços sou amor para uma vida inteira. Quando em meus braços respiro suas ansiedades e saudades como marinheiro, que sabe a chegada de bom ou mau tempo pelo cheiro. Quando em meus braços sou ponte intimamente ligada ao seu íntimo e indescritível universo.


Comentar Seja o primeiro a comentar

06/12/2014 - Quero o meu interior

Quero acordar no campo ouvindo o som da mata verde invadindo o quarto. Quero o vento levando folhas para a minha cama. Quero a passarada fazendo poleiro da minha janela. Quero um buque de rosas ao alcance da vista caso alguma noiva apareça querendo dividir minha preguiça. Quero o segredo do mato no meu copo no meu prato. Quero o inferno verde como meu paraíso. Quero me lambuzar de água de mina, fruta madura e beijo roceiro. Quero meus pés tocando o solo como se fossem pés de manga, de guiné, de onze horas, de macaúba, de graviola... Quero dormir num travesseiro recheado de paina de paineira. Quero ver dia após dia a paisagem mudando de cor, de cheiro, de tempero... Quero viver no interior do meu interior...


Comentar Seja o primeiro a comentar

18/11/2014 - Quase todos

Quase todos os caminhos são tortos. Quase todos os sonhos não se realizaram. Quase todos os heróis estão mortos. Quase todos os tempos estão no passado remoto ou no futuro distante. Quase todas as paixões estão prometidas ou comprometidas. Quase todos os fins saíram diferente do que se pensou. Quase todos os pecados foram perdoados. Quase todos os deuses caíram no esquecimento. Quase todos os planos deram n’água. Quase todos os mundos perderam seus fundos. Quase todos os poetas se perderam. Quase todos os papeis estão ao vento. Quase todos os sóis se apagaram. Quase todos os rios secaram. Quase todas as cores desbotaram. Quase todos os povos se esqueceram. Quase todas as estrelas se apagaram. Quase todas as frases foram quebradas. Quase todos os começos foram recomeçados. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

08/10/2014 - Quero viver

Eu queria apenas viver, nada mais do que viver na intensidade do verbo em questão. Porém, hoje, falta-me tempo para viver. Não posso viver olhando a chuva, a mudança dos ventos, o caminho das estrelas, o acordar das flores, o voo dos pássaros. Viver atualmente é um desviver, um corre-corre, um preocupar-se constante, uma vontade alucinante de sumir para o fim do mundo em busca de um pouco de tranquilidade para poder fazer o essencial para todos nós – viver.

Queria ser como aqueles que preenchem seu tempo com a quantidade de nuvens no céu, com a chegada da festa religiosa, com a carga dos pés disso e daquilo espalhados pelo quintal, com o cheiro da comida no fogo, com a roda de prosa na varanda. Isso tudo pode parecer uma grande bobagem para quem se perdeu na corrida em busca de sucesso, prazer, dinheiro, poder... sobrevivência. Eu não quero sobreviver, quero viver, mas viver na intensidade do verbo em questão.


Comentar Seja o primeiro a comentar

12/09/2014 - Quê? Qual? Como?

Que roupa você veste? Qual a cor do esmalte que cobre suas unhas? Posso saber qual perfume impregna em você? Com que bolsa resolveu ganhar as ruas? Pergunto a você ou ao chão que você pisa sobre seus sapatos? Quais joias resolveu tirar das caixinhas? Quais tons ganharam seu rosto em pinceladas? Seus lábios estão coloridos de quê? Cabelo solto, rabo de cavalo ou outro penteado? Acessórios? Que lanchinho lhe acompanha neste dia? Tem mais, tem mais, tem mais poesia? Quanto suou na academia? Quais movimentos você executou? No que pensou debaixo do chuveiro? Qual sua roupa de cama? Sonhou? Seguiu com a dieta do café da manhã? Em quanto tempo você fez da sua casa ao trabalho? Qual foi a primeira música que ouviu hoje? Foi bem recebida pelo sol? Que sorriso você veste?...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

28/08/2014 - Quem é essa?

Que mulher é essa que a todo instante me quer a caminhar na prancha de encontro ao mar alto dos tubarões que a todos tomam de assalto? Que menina é essa que constrói Muralhas da China entre o seu e o meu peito num profundo desrespeito ao amor sentido e não vivido? Que garota é essa que insiste numa outra realidade como se não fosse sujeita à saudade? Que criatura é essa que caminha em minha direção e me culpa como quem me multa por estar na contramão dos nossos destinos? Que beldade é essa que me leva a todo instante a querer ficar e a mudar de cidade numa calamidade de vontades? Que pessoa é essa que pensa que meu coração é o espaço mais à toa deste planeta ora lhe fazendo careta ora lhe vendo de luneta? Que fêmea é essa que reluta para separar os corpos de suas almas gêmeas?


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima