Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 31 textos. Exibindo página 3 de 4.

04/10/2015 - Hoje já não se vê mais

Hoje já não se vê mais favo de mel sendo vendido no meio da rua. Hoje já não se vê mais noivas casando com buquês de flores do campo. Hoje já não se vê mais marimbondo vermelho tirando o sono das crianças. Hoje já não se vê mais fruta amadurecendo no pé. Hoje já não se vê mais movimento na banca de revista em dia de domingo. Hoje já não se vê mais sacristão tocando sino. Hoje já não se vê mais violeiro sentando na porteira. Hoje já não se vê mais dono de casa servindo café feito no fogão a lenha pra visita. Hoje já não se vê mais panela ariada. Hoje já não se vê bolo esfriando na janela. Hoje já não se vê mais a mesa cheia na hora do almoço. Hoje já não se vê mais previsão do tempo tirada na lua. Hoje já não se vê mais bola de meia. Hoje já não se vê mais flor de couve. Hoje já não se vê mais torresmo que estrala. Hoje já não se vê mais o circo chegando na cidade. Hoje já não se vê mais palhaço engraçado. Hoje já não se vê mais graça.


Comentários Comentários (1)

30/06/2013 - Hoje tem jogo

Hoje tem jogo entre a vida e a morte no beco do ladrão. Hoje tem jogo entre o azar e a sorte na roleta do cassino. Hoje tem jogo de amor sob os lençóis da lua. Hoje tem jogo entre mocinho e bandido fora da televisão. Hoje tem jogo de alforria para os que gritam por liberdade. Hoje tem jogo de mais valia para quem dá o suor pelo pão. Hoje tem jogo de palavras na boca do profeta. Hoje tem jogo de disse-me-disse na soleira do muro. Hoje tem jogo de cintura para sobreviver. Hoje tem jogo de botão entre uma casa e outra da blusa. Hoje tem jogo entre deus e o diabo na cabeça do homem. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

27/03/2008 - Hoje tem marmelada?

Onde estão os palhaços gritando "hoje tem marmelada? Tem sim senhor!"? E os trapezistas que cortavam o céu, será que caíram? Onde estão as lonas amarelas, vermelhas, azuis tingindo a cidade? E os domadores de leões, será que foram domados? Onde estão os mágicos e seus coelhos e suas cartolas? E os chipanzés vestidos de menino, será que fugiram em suas bicicletas? Onde estão aqueles acrobatas que embaralhavam nossas vistas? E os contorcionistas, será que se quebraram?

Quantos já acreditaram que a vida era um grande circo, mágica e fantástica. Quantos já sonharam em voar em trapézios e rodar nas motos do globo da morte. Quantos já quiseram ter em suas bocas o riso eterno dos palhaços? Quantos já comeram pipoca naquelas bambas arquibancadas de madeira? Quantos já esperaram para ouvir: respeitável público...? Quantos já sujaram os pés de serragem na esperança de ter uma tarde ou uma noite mais delirante? Quantos? Quantas? ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

17/02/2010 - Homem de cinzas

Hoje entra em cena um homem feito de cinzas. São restos de fantasia ainda aquecidos dando forma a essa criação. O ritmo é outro, o objetivo é outro. Tudo é novo no homem que nasce depois do carnaval. É um homem de família, acima do bem e do mal. Um homem nu de personagens e adereços, um homem comum, com endereço e preço. São tantos risos, tantos beijos, tanto choro ardendo pelas cinzas que fazem este homem.

São romances, promessas fora de alcance, são nuances se misturando naquele DNA acinzentado. São vilões e mocinhas, são tamborins e pandeiros, são costureiras e marceneiros se encontrando naquele homem que nasce nu, sem enredo e com tanto medo. Com este homem nasce um novo tempo, de afirmação e perseverança. E é assim, num samba doido de esperança, que o homem volta a ser criança. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

27/07/2015 - Homens e mulheres caramujo

Não me diga que é hora de ir, de ir embora para casa. Nosso lar é aqui e em todo lugar que nos caiba. Somos homens e mulheres caramujo, levamos o que é nosso em nós. E, ao contrário do que possa parecer, estamos mais completos quando estamos nus. Nossa bagagem interior de memórias, amores e sonhos é o que nos faz sentir em casa seja onde for. Nossa paisagem não é espelho, mas o olhar pra dentro. Visto de qualquer jeito, o coração é só um músculo. E nós somos mais que corpos, tecidos e ossos. Nós somos o que não nos rodeia. Nós somos o que nos incendeia. Não se iluda, a aranha é a aranha e não a teia. Nossa casa é nosso compilado de erros e acertos, nossos nascimentos e renascimentos, nossos encontros e reencontros, o que fizemos e o que ainda queremos fazer. Não me diga que é hora de ir, de ir embora para casa, porque nosso lar somos nós. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

07/11/2008 - Hora de dormir

Apague a luz, é hora de dormir. O dia morreu e não adianta chorar mortos e feridos. Cubra a cabeça e esqueça dos vaga-lumes que ficam lhe trazendo lembranças de luz e sombras de medo num mesmo vôo. Reza para teus santos, para teu anjo-protetor e se entregue à escuridão do dia que acabou. Ah! Valha-se de tudo que viveu para enfrentar o que passou e o que passa por você.

Apague a luz e não dê bola para o que o travesseiro venha a lhe dizer. Ah! Lembra-se daquele cachorrinho com que você brincava quando criança, ah imagina que ela está ao seu lado. Chora, mas chora quieta para não chamar atenção da legião de choradores que anda por ai. Se optar por calmantes, tranqüilizantes, soníferos e afins, não se esqueça que um dia terá de acordar. Se quiser me contar seus fantasmas, basta acender uma vela....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

28/01/2014 - Hora de sonhar

Apague a luz. É hora de ninar. Seu lobo não vem, é tempo de sossegar. Feche os olhos sem medo. Aquiete o coração. Deixe o sono chegar. Jogue-se nos braços da fantasia que lhe espera para brincar. Liberte-se de tudo o que lhe pesa. Esqueça-se de toda e qualquer dor. Agora, é só você e o sonho. Deixa que ele a leve por onde for.

Se precisar, cante baixinho ou se conte uma historinha. Sim, aquele conto de fadas que você gosta de viver. Puxe a coberta e seu bichinho... Respire devagar. Deixe o sono tomar de conta. As fadas e os elfos esperam por você do lado de lá. Sua pureza vai lhe levar para este mundo de delicadeza. O sonho está aí, veio lhe buscar. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Horário de ilusão

Pega, pega, pega o ladrão! Pega o ladrão! Fui roubado, furtado, assaltado... Dê o nome que quiser a esse crime, o fato é que me roubaram o tempo. Quando acordei, faltava uma hora, faltavam 60 minutos, faltavam 3600 segundos no meu dia, na minha vida, no meu destino... Quantos os beijos que poderiam ter sido semeados e colhidos durante o passar de uma hora e não vingaram? Quantos os versos que poderiam ter sido escritos durante uma hora e foram levados para longe das minhas páginas? Quantos os sorrisos que deixaram de fazer parte da minha boca e dos meus olhos nesse intervalo de tempo? Quantos sabores e perfumes eu deixei de sentir com esse autoritarismo? Quantos os sonhos que caíram assassinados durante essa uma hora? Pode parecer pouco, mas para quem enxerga a vida como uma colcha de retalhos, costurada de detalhe em detalhe, é muito... ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

05/03/2015 - Horários

Às sete horas eu quero um beijo. Às vinte e uma horas eu corro para você onde quer que esteja. Às treze horas você me enche de apetite. Às vinte e duas horas eu preciso de colo. Às três horas sou apenas sonho, o seu sonho. Às vinte horas eu voo longe. Ao meio dia eu me esqueço de mim. Às quinze horas faço uma pausa de tudo e todos para o amor. Às dezoito horas o trânsito não flui em mim. Às vinte e três horas eu dou espaço aos sussurros. Às nove horas eu busco os suspiros da arte. Às dezesseis horas eu sou invadido por cheiro de bolo daqueles de avó. À meia noite eu viro lobo para correr suas campinas ou uivar em seus ouvidos, conforme preferir.


Comentar Seja o primeiro a comentar

11/06/2016 - Hortênsias rosas: um bom prenúncio

Depois das azuis, eis que também surpreendentemente chegaram as hortênsias rosas. Pena que chegaram de outras mãos que não das suas, mas ainda hei de viver para ver os tons de rosa da mulher e da flor se misturando. Embora elas não vieram por suas mãos, vieram de você. E pude sentir todo o amor que há impregnado naquelas folhas verdes, naquelas pétalas rosas. Eu e você, tão verdes quão rosas. Esses dias mesmo as flores azuis reapareceram trazendo você novamente no meu jardim. Agora, quando achei que tinha ido embora de vez, sem nem olhar para trás, as rosas chegaram para confirmar que você não me deixou, não me esqueceu, não me secou as esperanças de enraizar nossas vidas de forma sólida, duradoura e bela. Que no dia do nosso casamento o buquê seja de hortênsia, com flores azuis e rosas simbolizando o reencontro de dois tempos que nunca se separaram. Como cuido das hortênsias, prometo cuidar do nosso amor, de você, da nossa família. Regando todos os dias. Dando o calor necessário. Zelando pelo crescimento. Adubando com muita paixão. Deixando para trás as folhas secas. Podando os conflitos. Agradecendo por existir, por estar comigo. Fazendo-me merecedor de suas flores. Amor meu, depois das azuis e das rosas, aguardo ansiosamente pela hortênsia de carne e sonhos....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4   Seguinte   Ultima