Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 31 textos. Exibindo página 2 de 4.

20/12/2010 - Hipocrisia pra morrer

A vida é exuberante, dona de uma perfeição tamanha em seus rompantes. O céu é azul, o mar é azul, o sentimento é azul. É fato, os pássaros cantam de norte a sul inebriando o ambiente. Há mil e um motivos para comemorar o ato de viver. Há muita sombra e água fresca por aí; glórias e louvores às criações divinas. Os casais andam pelas estradas de mãos e bocas dadas num completo conto de fadas. Todos se dão bem, vão e vem na mais perfeita ordem. As palavras não mordem e os diferentes se entendem.
...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

22/01/2015 - História dividida

Chora, chora por tudo o que valeu à pena. Chora, chora por ser assim, carne de poema. Chora, chora por amar demais. Chora, chora pelo aparecimento de um “mas”. Chora, chora pelos erros que não teve como consertar. Chora, chora pelos obstáculos que não teve forças para superar. Chora, chora por ter se dedicado mais e mais não sendo o suficiente. Chora, chora sua face mais ausente. Chora, chora a metade que se perdeu. Chora, chora por tudo que feneceu. Chora, chora pelas horas mais lindas das nossas vidas. Chora, chora pela criação da despedida. Chora, chora pela filha que não teve tempo de nascer. Chora, chora porque amor grande, amor poeta, tem que sofrer. Chora, chora o vazio que passa por nós na violência de um rio. Chora, chora o frio da falta do corpo alheio. Chora, chora me lembrando em seu seio. Chora, chora pelos cacos que ficaram. Chora, chora pelas bênçãos que nos devotaram. Chora, chora todo carinho derramado. Chora, chora e declara luto ao passado. Chora, chora não querendo ser mais de ninguém. Chora, chora sem saber se ainda é alguém. Chora, chora essa história dividida. Chora, chora sem querer saber de sono ou de comida. Chora, chora pelo fim do encanto. Chora, chora nas barras de qualquer manto. Chora, chora queimando como vela. Chora, chora sem coragem de olhar se há futuro pela janela. Chora, chora o apocalipse de um tempo. Chora, chora pelo eclipse que houve em nosso sentimento. Chora, chora a saudade de um perfume. Chora, chora sem entender o próprio ciúme. Chora, chora sobre fotografias. Chora, chora pelas rasgadas fantasias. Chora, chora por tudo o que fez sem ou por querer. Chora, chora porque ainda há de muito doer. Chora, chora pelos tempos que não voltam. Chora, chora pelos arrependimentos que não soltam. Chora, chora pela falta de estrada para continuar. Chora, chora porque o amor mais dia menos dia tem que chorar. Chora, chora ainda sentindo seu corpo no amado e desejado corpo. Chora, chora em meio ao torpor. Chora, chora sem guardar rancor de si ou de quem quer que seja. Chora, chora por mais que não mais se veja. Chora pelo destino interrompido. Chora um choro que ora é grito ora é silêncio ora é gemido. Chora, chora em soluços até ficar sem ar. Chora, chora como se a alma, a própria alma, fosse derramar. Chora, chora pelo que se quebrou, pelo que secou, pelo que ficou, pelo que o tempo carregou, pelo que um erro que custou. Chora, chora pelo conto de fadas que escapou das suas mãos. Chora, chora por perdão. Chora, chora tentando se perdoar. Chora, chora porque o mundo não pode parar. Chora, chora esperando quem não vai voltar. Chora, chora tentando entender o que não entendimento. Chora, chora pelo labirinto do tormento. Chora, chora sangue, suor e coração. Chora, chora diante desse muro gigante e alucinante chamado não. Chora, chora de dentro pra fora, de fora pra dentro, dos lados, de cima abaixo, de baixo pra cima. Chora, chora a mudança do clima. Chora, chora pelo que ficou para sempre preso no futuro. Chora, chora o não haver mais um lugar seguro. Chora, chora e pensa e faz e repensa uma besteira. Chora, chora a impossibilidade de uma história inteira. Chora, chora nas garras e nos dentes da solidão. Chora, chora num choro-canção fazendo da dor o seu refrão. Chora, chora de se jogar ao deleite. Chora, chora pelo derramado leite. Chora, chora por descobrir um ponto final no infinito. Chora, chora um choro contrito. Chora, chora fazendo do que não foi o seu muro de lamentação. Chora, chora pelo nascimento da morte no leito da divisão. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

27/06/2010 - Histórias de porteira

Quando abria a porteira, meus olhos se abriam para um quintal de folhas no chão e cacarejo de galinhas ciscando. Cada uma de seu jeito, mais tímida ou atirada, as frutas se dependuravam nas árvores que esperavam um ano para dar o que comer. O cachorro me olhava da soleira da porta querendo um doce enquanto um apito de trem cortava a cidade. Perto dali, o namoro seguia nos bancos de praça, o tricô em cadeiras de balanço e a prosa em goles de café. E meus ouvidos, cansados de guerra, fartavam-se dos repiques de sino que convida para as missas da padroeira. E quando o dia escurecia, as estrelas se ajuntavam e faziam no céu uma fogueira. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

26/08/2013 - Hoje acordei...

Hoje acordei e o jornal já tinha sido lido pelo cachorro, que latia das principais manchetes do dia até as previsões do horóscopo. Hoje acordei e o bule de café tinha já ido embora com a jarra de leite. Hoje acordei e o mundo estava de pernas para o ar, como se a faxineira se esquecesse de desvirar os móveis ao final do serviço. Hoje acordei e o pão estava com alergia à manteiga e brigado com o requeijão. Hoje acordei e minha roupa de trabalhar estava de folga.

Hoje acordei e a televisão insistia em me dizer o que era para ser feito e desfeito. Hoje acordei com a sensação de ter dormido de menos, mesmo sabendo que havia dormindo demais. Hoje acordei com o sol estapeando minha cara. Hoje acordei com o caminhão do lixo recolhendo o que até ontem era importante para mim. Hoje acordei com a caixa do correio abarrotada de más notícias. Hoje acordei com o destino martelando meus ouvidos. Hoje acordei e os santos não me disseram nada de novo.


Comentar Seja o primeiro a comentar

06/08/2013 - Hoje é dia

É dia de levantar inteiro. É dia de lavar o rosto. É dia de enxugar as lágrimas. É dia de sacudir a poeira. É dia de tentar outra vez. É dia de ir de alimentar a fantasia. É dia de lutar pelo que se quer. É dia de buscar ser melhor que ontem. É dia de carregar o que lhe cabe. É dia de flertar com a possibilidade e também com a impossibilidade. É dia de sorrir mais. É dia de aliviar a dor. É dia de se apresentar inédito. É dia de procurar pela felicidade que se escondeu ou, que se perdeu ou que ainda não apareceu. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

13/03/2016 - Hoje é dia de domingo

Hoje é dia de pão fresco com manteiga de leite, daquelas bem amarelinhas e cremosas. Hoje é dia de galo cantar acompanhado do sino da igrejinha. Hoje é dia de gordura pingando na brasa. Hoje é dia de moda de viola, de bossa nova, de tamborim e pandeiro. Hoje é dia de comer pipoca no escurinho do cinema. Hoje é dia de jogar bola e de dar bola a alguém. Hoje é dia de praia, piscina, cachoeira, enfim, de se dar com a água. Hoje é dia de ir além do aquém. Hoje é dia de pedalar a bicicleta ou as pernas do seu amor. Hoje é dia daquela comidinha especial, com cheiro e tempero de fazer inveja a qualquer outro dia da semana. Hoje é dia de colo, de abraço, de corpo junto e misturado. Hoje é dia de deixar o relógio de lado e caminhar por um outro lado. Hoje é dia de se encontrar com árvores, com trilhas, com lagos, com feiras, com sabores, com perfumes, com crenças e outras bênçãos. Hoje é dia de vestir a roupa de domingo e sair por aí como que não querendo nada, mas sonhando com tudo, sem espada, nem escudo.


Comentar Seja o primeiro a comentar

15/03/2010 - Hoje é dia de Jobim

Hoje o dia amanheceu predestinado a dar errado, mas aí o rádio tocou Jobim e o enredo do cotidiano se transformou. Então, de repente, da boca fechada em copas nasceu um sorriso longínquo como a linha tridimensional do horizonte. Era como se as notas daquele piano tivessem o poder da criação. Será, perguntam os profetas do deserto, que os anos dourados de Deus residem debaixo do tampo daquele piano de cauda? Será ali a morada do criador, do salvador, do redentor???

Felizes os convidados a ouvir Tom Jobim. Por meio dos tons de seu piano o moço que andava cabisbaixo pela calçada ganhou ânimo para dançar com os postes; a senhora que passava de sombrinha, rodou, rodou, rodou até cair de contentamento; o velho fraco pensou que tinha ganhado asas e correu de braços abertos por entre o jardim de petúnias tentando voar; o menino se encheu de coragem e roubou da menina seu primeiro beijo; e o poeta colocou pau, pedra e o fim do caminho na poesia do dia......
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

17/09/2016 - Hoje é o melhor de mim

Que hoje eu receba tudo aquilo que eu mereça, nada mais nada menos, do que é do meu merecimento. Que os sonhos bons, assim como tudo o que valha a pena, tudo o que me acrescenta, tudo o que me insira, venham comigo. Que eu tenha força para no decorrer desse dia deixar pelo caminho o que me pesa, o que me faz sofrer, o que já não tem mais sentido. Que hoje seja o primeiro de muitos dias em que eu me coloque no papel principal da minha vida, de modo que eu me jogue sem medo no que me faz feliz. Que eu me permita ao amor, não só amar, mas ser amado sem pré-julgamentos. Que o que passou tenha passado realmente. Que o novo nasça, rompa, brote dentro e fora de mim. Que eu consiga ir adiante, pois é para isso que estou aqui: para ir em frente. Que eu aprenda com o que ensinei e tudo se transforme num grande e continuo aprendizado. Que o meu coração, mesmo marcado, remendado e colado, esteja sempre aberto, pronto para se apaixonar. Que eu siga superando e perdoando quaisquer dores, com a consciência de que elas vieram para me fazer melhor do que ontem. Que hoje tudo tenha mais tempero, mais cor, mais brilho, mais perfume simplesmente porque eu quero assim, e quando eu quero tudo é possível. Que hoje só haja tempo e espaço para o melhor de mim.


Comentar Seja o primeiro a comentar

04/04/2010 - Hoje é Páscoa

Hoje é Páscoa. Dê um sorriso. Abra os braços. Cante uma canção. Vá além da mesmice e faça ou pense ou coma ou beba algo diferente. Busque um novo eu por entre o corpo e a alma. Sonhe acordado. Esqueça a dor. Traga o céu mais pra perto. Beije. Deseje. Comemore. Tome coragem e vire personagem principal do seu filme. Hoje é Páscoa. Hoje é a passagem de um tempo. Sinta o ar e agradeça aos bons ares. Voe. Acredite ao menos em uma boa-nova e vá em frente. Aliás, siga sempre em frente. Converse com as flores. Acenda uma estrela. Tire alguém para dançar. Que tal se namorar um pouco? Anexe coisas boas aos pensamentos. Faça bater mais forte um coração. Respire, inspire e vire-se em mil: hoje é Páscoa. Um dia poderoso tanto bíblica quanto poeticamente. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

13/06/2008 - Hoje é sexta-feira 13...

Hoje é dia de correr de gato preto. Hoje é dia de fugir de escadas. Hoje é preciso andar com o pé direito sempre à frente. Hoje vale a pena trazer uma galha de arruda no bolso. Hoje é preciso se benzer a todo minuto. Hoje as bruxas estão soltas. Hoje os uivos de lobisomem estão mais próximos. Hoje ferradura de sete furos, trevo de quatro folhas e figa são itens obrigatórios. Hoje quebrar espelho é um atentado gravíssimo a sua saúde. Hoje não durma com os pés voltados para a porta. Hoje não é aconselhável viajar, tampouco se sentar em alguma poltrona de número 13....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4   Seguinte   Ultima