Daniel Campos

Imprimir Enviar para amigo
02/12/2008 - N`água

Os sonhos de Antonio deram n`água. O casamento de Tereza se perdeu na água. As economias de seu João afundaram n`água. A boneca de Rafaela foi brincar em outras águas. O orgulho de César caiu por água. O bolo de laranja de dona Carmela foi engolido pela água. A canção de seu Oscar desafinou n`água. O vestido de Laura foi levado pela água. A pinga de Atílio virou água. As lágrimas de Mariazinha salgaram a água.

Os latidos de Valente se calaram n`água. Os chinelos de Abigail correram pela água. O desespero de Nelson se misturou n`água. O medo de Clarice cresceu n`água. As histórias de seu Pedro desfolharam n`água. Os peixinhos de Aninha nadaram em outras águas. Os sapatos de Antenor sapatearam n`água. O televisor de Olga só exibiu água. O caldo do feijão ficou só água. O jardim ficou abaixo d`água. O flerte de Leonor acabou em m`água.

A insonia de Zezinho boiou n`água. O chão do quarto do casal minou água. A vela de Santa Clara clareou água. As sementes brotaram n`água. O boi mugiu e atravessou a água. O segredo de Afonso foi lido n`água. A bicicleta de Paulinha saiu sozinha pela água. O barquinho de Felipe naufragou n`água. O coração de Iolanda se encharcou d`água. E o menino de peito aguou.


Comentários

Nenhum comentário.


Escreva um comentário

Participe de um diálogo comigo e com outros leitores. Não faça comentários que não tenham relação com este texto ou que contenha conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade. Eu me resguardo no direito de remover comentários que não respeitem isto.
Agradeço sua participação e colaboração.

voltar